PUBLICIDADE
Ceará
NOTÍCIA

Fundação Demócrito Rocha promove curso sobre enfrentamento à violência doméstica; veja como participar

Evento online é ofertado pela Universidade Aberta do Nordeste (Uane), da Fundação Demócrito Rocha (FDR), com o apoio do Fundo das Nações Unidas para a Infância (Unicef) e da Universidade Estadual do Ceará (Uece)

13:59 | 14/10/2020
A iniciativa - em formato de ensino à distância (EAD) - conta com 140h horas/aula. As inscrições já estão abertas no site (Foto:  Divulgação)
A iniciativa - em formato de ensino à distância (EAD) - conta com 140h horas/aula. As inscrições já estão abertas no site (Foto: Divulgação)

 

A Fundação Demócrito Rocha (FDR), do Grupo de Comunicação O POVO (Gcop), está promovendo o curso de entensão “Enfrentamento à violência doméstica e familiar contra mulher”. Ofertado pela Universidade Aberta do Nordeste (Uane), da FDR,  o curso conta com o apoio do Fundo das Nações Unidas para a Infância (Unicef) e da Universidade Estadual do Ceará (Uece). O conteúdo será veiculado por meio de fascículos digitais, videoaulas e radioaulas. As inscrições já estão abertas.

O evento surge com a proposta de ampliar o conhecimento dos agentes públicos, da iniciativa privada e da sociedade civil em relação às melhores práticas para o combate à violência e formação/conscientização sobre o enfrentamento à violência contra mulher e o feminicídio. A iniciativa - em formato de ensino à distância (EAD) - conta com 140h horas/aula e é composta por 12 fascículos, 12 videoaulas e 12 radioaulas. Todo o material estará disponibilizado no Ambiente Virtual de Aprendizagem (AVA) aos inscritos.

É a segunda vez que parcerias com temáticas de relevância social acontecem entre O POVO e as demais entidades. A coordenadora de conteúdo e presidente da Comissão de Direitos Humanos da OAB-CE, Leila Paiva, conta que é extremamente importante a realização desses cursos. No primeiro evento realizado, sobre violência sexual contra crianças e adolescentes, foram mais de 40 mil inscritos no Brasil todo. Com o sucesso do primeiro curso, Leila percebeu que seria interessante dar continuidade ao projeto, que agora ganha outro contexto devido pandemia da Covid-19. "A violência doméstica contra mulher aumentou bastante e isso inclui feminicídio. Então, ampliamos para discutir. A gente viu que o público mudou e precisamos atingir novos atores", explica a coordenadora.

Com os módulos, a ideia é dialogar com esferas da sociedade que possam ajudar no tema do enfrentamento, mas também manter público já conquistado. A plataforma permite grande número de participação. "Esse curso atualiza novos temas, que nem são tão novos, mas que foram descortinados pela pandemia", comenta Leila. Segundo dados do Ministério da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos, houve um crescimento das denúncias de violência contra as mulheres – recebidas pelo número de telefone180: alta de 13,35% em fevereiro, 17,89% março e 37,58% em abril, quando comparados ao mesmo período de 2019. O fato de a mulher estar mais em casa, acumular mais trabalhos, estar o tempo todo ao lado de seu agressor são fatores que tornam um lugar sagrado como o lar em um lugar de medo e insegurança.

Com doze módulos, o curso trata desde o papel de algumas estruturas de políticas públicas no combate à violência, até a discussão sobre qual papel da mídia nesse enfrentamento. Para Leila Paiva, falar sobre o tema agora é fundamental, principalmente pela diminuição das denúncias. Segundo a coordenadora, o papel da mídia se torna ainda mais relevante, pois o acesso à comunicação nesse momento de isolamento, ainda que mais brando, pode ajudar as vítimas de violência. "Sou defensora de que a gente deve o tempo todo estar formando pessoas para atuar em determinados temas, sobretudo de relevância social. Estamos formando uma nova geração. Queremos que esse seja um projeto de muitos", afirma Leila. Ainda conforme a coordenadora, o curso pretende também atingir homens e discutir qual seu papel dentro da luta.

LEIA TAMBÉM | Violência doméstica contra mulher: medo gerado por confinamento faz com que denúncias caiam no Ceará 

 Como fazer inscrição

 

As inscrições para o curso “Enfrentamento à violência doméstica e familiar contra mulher” são abertas e gratuitas no site: cursos.fdr.org.br.

No endereço é possível conferir o conteúdo programático e o perfil dos autores de cada módulo. A coordenação de conteúdo é da presidente da Comissão de Direitos Humanos da OAB-CE, Leila Paiva, e Valéria Xavier é a coordenadora geral do projeto.

Os cursistas que obtiverem nota mínima 6 na avaliação, vão receber certificados com chancela da Uece.

Os fascículos estarão disponíveis todas as quartas-feiras (a partir do dia 4/11, encartados no O POVO), as videoaulas às quintas-feiras, na TV O POVO (a partir de 5/11, às 9h30min e reprise no dia seguinte, às 18 horas), e as rádio-aulas aos sábados, na O POVO CBN AM 1010, (a partir de 7/11, às 10 horas). Todo o conteúdo será veiculado por 12 semanas seguidas.

Veja os títulos dos módulos do curso:

 

Direitos Humanos das Mulheres.
O processo de debate e construção dos direitos
Feminicídio no Brasil
Políticas e diretrizes nacionais para investigar, processar e julgar
A educação no enfrentamento da violência doméstica e familiar
Gênero, Masculinidades e Violência
Violência: uma perspectiva psicossocial
Rede de Atenção e Proteção
Gênero e Interseccionalidades
A investigação e o processo judicial do feminicídio
Mídia e Violência Doméstica
Violência e Trabalho


Serviço

 

Curso Enfrentamento à violência doméstica e familiar contra mulher
De novembro de 2020 a janeiro de 2021
Inscrições abertas e gratuitas: cursos.fdr.org.br


LEIA TAMBÉM | Coronavírus no Ceará: saiba como denunciar violência doméstica durante pandemia 

TAGS