Participamos do

CGD inicia apuração sobre caso de áudios que depreciam mulheres policiais

Além da CGD, a Polícia Militar do Ceará (PMCE) abriu um inquérito policial militar (IPM) para realizar os levantamentos sobre o caso
22:43 | Jul. 16, 2020
Autor Redação O POVO
Foto do autor
Redação O POVO Autor
Ver perfil do autor
Tipo Notícia

A Controladoria Geral de Disciplina (CGD) informou na noite desta quinta-feira, 16, por meio de nota, que adotou providências para apurar o caso dos áudios que depreciam mulheres policiais. De acordo com a Controladoria, haverá a apuração na esfera administrativa disciplinar. Além da CGD, a Polícia Militar do Ceará (PMCE) abriu um inquérito policial militar (IPM) para realizar os levantamentos sobre o caso.

Em um áudio publicado na noite dessa quarta-feira, 15, um policial militar (PM) afirma em um grupo do WhatsApp que as mulheres militares estaduais deviam atuar dentro dos quartéis para "tirar o estresse" dos militares. "Sabe o que era para ser feito com essas pefens [policiais femininas] da Polícia? Elas eram para estar no quartel para tirar o estresse da gente. Chegasse lá estressado, ela estava lá para resolver a parada", comenta no áudio.

As mensagens ainda receberam apoio dentro do próprio grupo. No entanto, a PMCE repudiou os comentários machistas feitos por um integrante da corporação. A ação gerou indignação dentro da tropa. Oficiais e praças realizaram comentários em apoio as mulheres policiais.

Seja assinante O POVO+

Tenha acesso a todos os conteúdos exclusivos, colunistas, acessos ilimitados e descontos em lojas, farmácias e muito mais.

Assine

 

A CGD, também por meio de sua assessoria de comunicação, afirmou que não divulga nomes de pessoas que são "alvos de procedimento". O POVO pediu uma explicação mais detalhada sobre esse procedimento do órgão e aguarda retorno.

De acordo com a nota, o fato tomou repercussão nacional. A corporação reafirmou que todas as mulheres que compõem os quadros da Polícia Militar do Ceará merecem respeito. E ressaltou que são dedicadas nos atos de servir e proteger a sociedade cearense, seja nas ruas, dirigindo viaturas, comandando unidades operacionais, no serviço administrativo ou em quaisquer missões que a elas estejam designadas.

Durante a quinta-feira, 16, páginas nas redes sociais referentes a batalhões publicaram fotografias de mulheres policiais em repúdio ao comentário. Oficiais e praças também utilizaram seus perfis pessoais para dar apoio as militares.

Confira abaixo nota na íntegra da CGD:

A Controladoria Geral de Disciplina dos Órgãos de Segurança Pública e Sistema Penitenciário (CGD) informa já adotou as providências iniciais necessárias à apuração na seara administrativa disciplinar.

Confira abaixo nota na íntegra da PMCE:

A Polícia Militar do Ceará rechaça, veementemente, os comentários preconceituosos sobre a atuação da mulher policial na Corporação, proferidos por um de seus integrantes em aplicativo de conversas na noite de ontem, 15.

O fato tomou repercussão nacional e todas as mulheres que compõem os quadros da Polícia Militar Ceará merecem respeito, são todas profissionais dedicadas ao mister de servir e proteger a sociedade cearense, seja nas ruas, dirigindo viaturas, comandando unidades operacionais, no serviço administrativo ou em quaisquer missões que a elas sejam designadas.

O Comando Geral da Corporação nunca admitiu e jamais admitirá fatos que maculem a imagem da mulher policial militar.

Assessoria de Comunicação da PMCE

Confira abaixo nota na íntegra da SSPDS:

A Secretaria da Segurança Pública e Defesa Social do Ceará (SSPDS-CE) repudia veementemente o conteúdo dos áudios divulgados, em um aplicativo de mensagens instantâneas, em que um policial da Polícia Militar do Ceará (PMCE) deprecia, com falas machistas, a função exercida pelas policiais militares femininas que compõem a corporação cearense. A SSPDS abomina qualquer conduta patriarcal, que pregue o desrespeito à mulher, colocando-a como uma figura inferior ao gênero masculino, seja em qual for o âmbito da sociedade. A Secretaria ressalta e reconhece o papel fundamental de todas as policiais militares femininas (PFEMs), assim como das bombeiras militares, policiais civis e servidoras da Perícia Forense, para a manutenção e fortalecimento da Segurança Pública do Ceará. Por último, a pasta destaca que o policial militar autor da mensagem foi identificado, os áudios estão sendo devidamente apurados e todas as medidas administrativas adotadas. O envolvimento de outros policiais militares está sendo investigado. Um Inquérito Policial Militar (IPM) foi aberto pelo Comando da PMCE, que também repudia o conteúdo dos áudios e o comportamento do servidor.

Primeira militar no comando de companhia do BPChoque

Há uma semana, a PMCE anunciou que, pela primeira vez, o Comando de Policiamento de Choque (CPChoque) terá como comandante de uma companhia uma policial militar feminina. A 1ª tenente Maria Aparecida de Freitas Moraes é respeitada e admirada pelos subordinados. Ela foi lotada na 2ª Companhia do 4º BPM, no Batalhão de Policiamento de Eventos e na 3ª Companhia do 2º BPChoque.

Única mulher a concluir o curso do Cotar

Já a policial Militar Laurice Sinara Maia é a primeira, e até o momento,  a única a concluir o curso do Comando Tático Rural (Cotar). Conhecido como um dos cursos mais difíceis entre os dos militares estaduais do Ceará. Maia passou por todas as etapas do curso.

Primeira mulher a ocupar cargo de coordenadora da Força Nacional é cearense

Em matéria sobre o Dia da Mulher, em março de 2020, O POVO falou do trabalho de Keydna Alves Lima Carneiro, 43 anos, destes, 26 dedicados a carreira de policial militar (PM). Cearense, natural de Fortaleza, a tenente-coronel foi a primeira oficial no Brasil a ocupar o cargo de Coordenadora-geral de Administração da Força Nacional (FN).

Dúvidas, Críticas e Sugestões? Fale com a gente

Tags