Participamos do

Policial deprecia mulheres militares em áudio, gera ações de repúdio no Ceará e inquérito é aberto

A conversa do WhatsApp gerou o repúdio da Polícia Militar do Ceará (PMCE). Diversas militares estaduais, oficiais e praças se manifestaram sobre o caso nesta quinta-feira, 16
18:05 | Jul. 16, 2020
Autor Jéssika Sisnando
Foto do autor
Jéssika Sisnando Repórter
Ver perfil do autor
Tipo Notícia

Atualizada às 21h50min

Um áudio de um policial militar (PM) do sexo masculino depreciando militares femininas vazou nas redes sociais e gerou ações de repúdio por parte da corporação e dos órgãos de segurança do Ceará. Além disso, diversas militares estaduais, oficiais e praças se manifestaram sobre o caso nesta quinta-feira, 16. Um inquérito policial militar (IPM) foi aberto pelo comando da Polícia Militar do Ceará (PMCE). A Secretaria da Segurança Pública e Defesa Social (SSPDS) também lançou nota afirmando que repudia e que tomará providências sobre o caso.

No áudio obtido pelo O POVO, o agente de segurança afirma que o trabalho das pefens, como são chamadas as policiais femininas, devia ser restrito a ficar no quartel para "tirar o estresse" dos PMs. Na mesma conversa de teor machista, no grupo de WhatsApp, outro agente de segurança responde em apoio. O policial chega a afirmar que a "ideia" devia chegar no Comando Geral da Polícia Militar do Ceará (PMCE). A Controladoria Geral de Disciplina dos Órgãos de Segurança Pública e Sistema Penitenciário (CGD), por meio de sua assessoria de comunicação, afirmou que não divulga nomes de pessoas que são "alvos de procedimento". O POVO pediu uma explicação mais detalhada sobre esse procedimento do órgão e aguarda retorno.

Seja assinante O POVO+

Tenha acesso a todos os conteúdos exclusivos, colunistas, acessos ilimitados e descontos em lojas, farmácias e muito mais.

Assine

A conversa gerou o repúdio da Corporação. Em nota, a PMCE afirmou que rechaça, veemente, os comentários preconceituosos sobre a atuação da mulher policial na Corporação. Conforme a publicação oficial, o comentário foi feito por um integrante da PMCE em um aplicativo de conversas na noite da última quarta-feira, 15.

De acordo com a nota, o fato tomou repercussão nacional. A corporação reafirmou que todas as mulheres que compõem os quadros da Polícia Militar do Ceará merecem respeito. E ressaltou que são dedicadas nos atos de servir e proteger a sociedade cearense, seja nas ruas, dirigindo viaturas, comandando unidades operacionais, no serviço administrativo ou em quaisquer missões que a elas estejam designadas.

Durante a quinta-feira, 16, páginas nas redes sociais referentes a batalhões publicaram fotografias de mulheres policiais em repúdio ao comentário. Oficiais e praças também utilizaram seus perfis pessoais para dar apoio as militares.

A CGD informou, por meio de nota, que adotou as providências iniciais necessárias à apuração na seara administrativa disciplinar.

Confira abaixo nota na íntegra da PMCE:

A Polícia Militar do Ceará rechaça, veementemente, os comentários preconceituosos sobre a atuação da mulher policial na Corporação, proferidos por um de seus integrantes em aplicativo de conversas na noite de ontem, 15.

O fato tomou repercussão nacional e todas as mulheres que compõem os quadros da Polícia Militar Ceará merecem respeito, são todas profissionais dedicadas ao mister de servir e proteger a sociedade cearense, seja nas ruas, dirigindo viaturas, comandando unidades operacionais, no serviço administrativo ou em quaisquer missões que a elas sejam designadas.

O Comando Geral da Corporação nunca admitiu e jamais admitirá fatos que maculem a imagem da mulher policial militar.

Assessoria de Comunicação da PMCE

Confira abaixo nota na íntegra da SSPDS:

A Secretaria da Segurança Pública e Defesa Social do Ceará (SSPDS-CE) repudia veementemente o conteúdo dos áudios divulgados, em um aplicativo de mensagens instantâneas, em que um policial da Polícia Militar do Ceará (PMCE) deprecia, com falas machistas, a função exercida pelas policiais militares femininas que compõem a corporação cearense. A SSPDS abomina qualquer conduta patriarcal, que pregue o desrespeito à mulher, colocando-a como uma figura inferior ao gênero masculino, seja em qual for o âmbito da sociedade. A Secretaria ressalta e reconhece o papel fundamental de todas as policiais militares femininas (PFEMs), assim como das bombeiras militares, policiais civis e servidoras da Perícia Forense, para a manutenção e fortalecimento da Segurança Pública do Ceará. Por último, a pasta destaca que o policial militar autor da mensagem foi identificado, os áudios estão sendo devidamente apurados e todas as medidas administrativas adotadas. O envolvimento de outros policiais militares está sendo investigado. Um Inquérito Policial Militar (IPM) foi aberto pelo Comando da PMCE, que também repudia o conteúdo dos áudios e o comportamento do servidor.

Primeira militar no comando de companhia do BPChoque

Há uma semana, a PMCE anunciou que, pela primeira vez, o Comando de Policiamento de Choque (CPChoque) terá como comandante de uma companhia uma policial militar feminina. A 1ª tenente Maria Aparecida de Freitas Moraes é respeitada e admirada pelos subordinados. Ela foi lotada na 2ª Companhia do 4º BPM, no Batalhão de Policiamento de Eventos e na 3ª Companhia do 2º BPChoque.

Única mulher a concluir o curso do Cotar

Já a policial Militar Laurice Sinara Maia é a primeira, e até o momento,  a única a concluir o curso do Comando Tático Rural (Cotar). Conhecido como um dos cursos mais difíceis entre os dos militares estaduais do Ceará. Maia passou por todas as etapas do curso.

Primeira mulher a ocupar cargo de coordenadora da Força Nacional é cearense

Em matéria sobre o Dia da Mulher, em março de 2020, O POVO falou do trabalho de Keydna Alves Lima Carneiro, 43 anos, destes, 26 dedicados a carreira de policial militar (PM). Cearense, natural de Fortaleza, a tenente-coronel foi a primeira oficial no Brasil a ocupar o cargo de Coordenadora-geral de Administração da Força Nacional (FN).

Dúvidas, Críticas e Sugestões? Fale com a gente

Tags