Participamos do

Em shopping de São Paulo, Papai Noel é acusado de lançar ofensas racistas contra família

Em nota, o shopping lamentou o ocorrido e disse que o homem foi demitido
12:39 | Dez. 10, 2021
Autor Danrley Pascoal
Foto do autor
Danrley Pascoal Autor
Ver perfil do autor
Tipo Notícia

Na última sexta-feira, 3, o Papai Noel do shopping Plaza Sul, na Zona Sul de São Paulo, foi acusado por uma mãe de lançar declarações racistas contra ela e seus quatro filhos. Os relatos foram feitos pela autônoma Tamiris Cerqueira em suas redes sociais.

Em nota, o shopping lamentou o ocorrido e disse que o homem foi demitido: “O Plaza Sul Shopping se solidariza com a família. A atitude do ator contratado por empresa terceirizada está completamente equivocada e não condiz de forma nenhuma com as orientações passadas pelo shopping. O profissional já foi substituído”

Veja também | Ataque hacker afeta emissão de certificados de vacina; PF investiga o caso

Seja assinante O POVO+

Tenha acesso a todos os conteúdos exclusivos, colunistas, acessos ilimitados e descontos em lojas, farmácias e muito mais.

Assine

Campanha de Natal contempla mais de 2 mil famílias sob risco alimentar no Ceará

Triste com a situação, a mãe usou suas redes sociais para desabafar e explicou o ocorrido: “ele quis saber quantos filhos eu tinha, quando eu disse que eram cinco ele perguntou se não tinha televisão na minha casa”. A repercussão das postagens fizeram com que o shopping Plaza Sul entrasse em contato pedindo desculpas. Tamires afirmou que não queria tirar fotos com o Papai Noel, no entanto, foi convencida por um funcionário do shopping.

"O Papai Noel chamou meu filho de seis anos e perguntou o que ele queria ganhar de presente. Aí meu filho falou que queria um hoverboard [skate elétrico]. Aí ele falou assim: 'mas quanto que o seu pai ganha? Olha, esse presente não condiz com a sua realidade”, disse a mãe ao Portal G1.

Tamiris diz que o homem foi arrogante e humilhou seu filho mais velho. O garoto ouviu do Papai Noel que o pedido feito não condizia com a sua condição social. "Ele chamou meu filho mais velho, de 12 anos, e perguntou o que ele queria. O meu filho falou ‘um celular’. Aí ele falou: 'não, esquece!'. Foi a resposta dele”, desabafou.

 

Dúvidas, Críticas e Sugestões? Fale com a gente

Tags