Participamos do

Professor pergunta se aluna vai levar lubrificante "quando for estuprada"

A instituição informou que o docente foi demitido. O caso está sendo investigado pelo Divisão Especializada no Atendimento à Mulher, do Pará
23:41 | Nov. 26, 2021
Autor Lara Vieira
Foto do autor
Lara Vieira Autor
Ver perfil do autor
Tipo Notícia

A fala de um professor do curso de medicina em uma faculdade de Belém, no Pará, gerou revolta nas redes sociais. Registros feitos por alunos do Centro Universitário Metropolitano da Amazônia (Unifamaz), mostram o professor perguntando se uma estudante não levaria lubrificante caso fosse estuprada. A fala foi feita após a aluna alegar que não utilizou o produto em um procedimento realizado na aula prática.

Confira o momento:

Seja assinante O POVO+

Tenha acesso a todos os conteúdos exclusivos, colunistas, acessos ilimitados e descontos em lojas, farmácias e muito mais.

Assine

A situação ocorreu em 17 de novembro. No vídeo, é possível ver a jovem simulando o procedimento de intubação de um paciente. O professor, então, pergunta se ela passou lubrificante no material antes de inserir na boca do boneco. A jovem, por sua vez, responde que não. "Quando a senhora for estuprada, quero ver se a senhora vai levar o vidrinho de lubrificante para facilitar a vida, ou vai preferir no seco mesmo?", disse o professor durante a aula.

Ainda nesta sexta-feira, estudantes da Unifamaz realizaram um protesto contra a cultura do estupro, em frente a Instituição. Atualmente, o caso está em investigação na Divisão Especializada no Atendimento à Mulher. Já o Conselho Regional de Medicina do Estado do Pará (CRM-PA) informou que "efetivou as medidas legais previstas, instaurando o procedimento administrativo competente".

De acordo com o portal G1, nesta sexta-feira, 26, a Unifamaz emitiu comunicado informando que o docente não faz mais parte do quadro de funcionários. O centro educacional também declarou que "refuta com veemência qualquer ato que viole o bem-estar da comunidade acadêmica e reforça seu compromisso com a formação de cidadãos éticos, portanto, repudia qualquer tipo de ato de assédio contra a mulher ou contra qualquer ser humano", disse a Instituição, em nota.


Conteúdo sempre disponível e acessos ilimitados. Assine O POVO+ clicando aqui

Dúvidas, Críticas e Sugestões? Fale com a gente

Tags