Participamos do

Entenda a pesquisa da "vacina universal" e seu impacto contra outras pandemias

Na pesquisa, foram desenvolvidas dois tipos de vacinas e aplicadas em grupos de macacos.
08:18 | Mai. 12, 2021
Autor Alice Sousa
Foto do autor
Alice Sousa Autor
Ver perfil do autor
Tipo Notícia

Pesquisadores da Duke University, nos Estados Unidos, publicaram na última segunda, 10, estudo que deixou a comunidade científica animada. Um dos motivos é sobre a prevenção de próximas pandemias que possam vir com um novo coronavírus.

LEIA MAIS| Resultados preliminares de "vacina universal" contra coronavírus são divulgados

Na pesquisa, foram desenvolvidas dois tipos de vacinas e aplicadas em grupos de macacos. Uma é de nanopartícula de ferritina, que é uma proteína que se agrega espontaneamente, com o domínio RBD da proteína Spike ligado à superfície. “Basicamente, enfeitaram a nanopartícula com um pedaço do coronavírus. A RBD (domínio receptor obrigatório) é a porção da Spike responsável por se ligar aos nossos receptores e permitir a entrada do vírus nas nossas células", explica o farmacêutico Wasim Syed.

Seja assinante O POVO+

Tenha acesso a todos os conteúdos exclusivos, colunistas, acessos ilimitados e descontos em lojas, farmácias e muito mais.

Assine

Em outras duas, utilizaram RNA mensageiro, do mesmo princípio da Pfizer e da Moderna. Em uma, inseriram o gene da proteína Spike completa. Na outra, colocaram somente a sequência do RBD.

Como explica Wasim, a sequência das proteínas utilizadas é a mesma do SARS-CoV-2, mas com algumas modificações para garantir a estabilidade da proteína Spike completa e outras mutações presentes nas variantes de preocupação B.1.17, P.1 e B.1.351 (britânica, brasileira e sul-africana).

Os resultados foram satisfatórios, pois mostraram que uma vacina direcionada contra o SARS-COV-2 protege contra o SARS-COV-1 e coronavírus de morcegos selecionados (o WIV-1). "E, talvez, outras vacinas que já utilizam o mesmo alvo (RBD ou a Spike inteira) possam proteger também contra outros coronavírus", complementa o farmacêutico. É o caso das vacinas da Moderna e da Pfizer.

Syed ressalta que o custo dos investimentos pode ser menor, pois já existirem outras vacinas aprovadas que chegaram antes.

Dúvidas, Críticas e Sugestões? Fale com a gente

Tags