PUBLICIDADE
Brasil
NOTÍCIA

Paulo André brilha nos 100m e festeja tetra do Troféu Brasil

20:42 | 11/12/2020
Paulo André brilha nos 100m e festeja tetra do Troféu Brasil (Foto: WAGNER CARMO/ECP)
Paulo André brilha nos 100m e festeja tetra do Troféu Brasil (Foto: WAGNER CARMO/ECP)

Os grandes destaques da tarde desta sexta-feira (11) no Troféu Brasil de Atletismo, no Centro Olímpico em São Paulo, foram as finais dos 100 metros rasos. Paulo André Camilo de Oliveira e Vitória Rosa, ambos do Pinheiros, ficaram com o título em cada um dos naipes.

No masculino, Paulo André festejou o tetracampeonato nacional, com a marca de 10seg13 (-0.3). “Competi para ganhar, para defender meu título e estou muito feliz por ter sido protegido por Deus”, comentou à equipe da CBAt. O atleta é dono da segunda melhor marca na história na prova na América do Sul, com 10.02, e já está qualificado para a Olimpíada de Tóquio. “Ainda vou correr os 200m e o revezamento 4x100m pelo Pinheiros e depois volto aos treinos visando a temporada 2021”, lembrou. Felipe Bardi dos Santos (SESI-SP), depois de fazer a melhor marca pessoal com 10seg11 (0.1) nas semifinais, ficou em segundo lugar, com 10seg18. Derick de Souza (Pinheiros) levou o bronze, com 10seg25.

A final da prova feminina aconteceu sob chuva, mas eletrizante e decidida na fotografia de chegada. Vitória Rosa e Ana Carolina de Jesus Azevedo (Orcampi) completaram a distância em 11seg41 (-0.7). Mas a atleta do Pinheiros acabou ficando com o ouro. "O tempo poderia ter sido melhor, mas vencer o Troféu Brasil é muito importante”, disse a velocista, que agora disputará os 200m, prova em que está qualificada para os Jogos de Tóquio-2021. A recordista sul-americana da prova, Rosangela Santos, também do Pinheiros, ficou com a medalha de bronze, com 11seg46.

Nos 800 metros, Thiago André (Balneário Camboriú) levou a melhor pela terceira vez na carreira, depois de ter vencido em 2015 e 2017. “Fiquei muito feliz com o resultado em um ano tão difícil”, disse o corredor fluminense, que assumiu a liderança no Ranking Sul-Americano de 2020, com o tempo de 1min46seg33. “Agora tenho de falar com o meu técnico para definir a preparação. Estávamos com foco imediato no Mundial Indoor, que acabou adiado para 2023”, comentou.

Eduardo Ribeiro Moreira (Pinheiros), de apenas 19 anos, conseguiu o recorde pessoal, 1min46seg87, e ficou com a medalha de prata. O bronze foi de Guilherme Kurtz (APA-RS), com 1min47seg12. Nos 800 m feminino, vitória de Mayara dos Santos Leite (Pinheiros) conseguiu o primeiro título do Troféu com 2min07seg29. “Um ano difícil não poderia terminar melhor. Título logo no meu primeiro Troféu Brasil”, disse a atleta, que treina em São Paulo com Cláudio Castilho. Liliane dos Santos Mariano (Pinheiros) ficou com a medalha de prata, e Jaqueline Beatriz Weber (AMO-RS) foi a terceira colocada. No heptatlo, a paulista Raiane Vasconcelos Procópio (AABLU) venceu depois de fazer 5.759 pontos.

No salto triplo, Gabriele Sousa dos Santos (Pinheiros) saltou 14,17m (-1.0) e comemorou o bicampeonato. “Não fiquei feliz com a marca porque essa temporada praticamente não existiu. Meu objetivo agora é me concentrar muito para 2021. Não quero apenas o índice olímpico, quero muito fazer a final em Tóquio”, disse decidida a atleta carioca. A experiente Keila Costa fechou com a medalha de depois de saltar 13,83m (-0.3). Ketllyn Pamela Daniel Zanette (UCA) fechou o pódio com 13,31m (-0.5).

Nos 3.000m com obstáculos, Tatiane Raquel da Silva (IPEC) conquistou o décimo título e a 11ª medalha do Troféu Brasil, com o tempo de 9min59seg72. “Vamos torcer para a situação melhorar. Meu objetivo é integrar a equipe em Tóquio”, disse a corredora treinada por Claudio Castilho. Simone Ponte Ferraz (APA-SC) ficou com a prata, marcando 10min21seg43, seguida de Mirelle Leite (Projeto Atletismo Campeão), campeã brasileira sub-20, com 10min45seg81.

Na prova masculina, Altobeli Santos da Silva (Pinheiros) comemorou o quinto título consecutivo. O tempo do finalista olímpico no Rio de Janeiro e campeão Pan-Americano foi 8min34seg32. “Meu objetivo era quebrar o meu recorde do torneio (8:26.06) de 2017, mas não consegui. Acho que fiz uma prova bacana no final”, comentou o atleta paulista, que tentará ainda a sexta medalha de ouro do Troféu Brasil nos 5.000m. Israel Tiago Pereira Mecabo (AACN-SC) foi o vice-campeão, com 8min55seg03, seguido de Jean Carlos Dolberth Machado (Pinheiros), com 8min56seg82.

No salto em altura, uma surpresa: Sarah Suelen Fernandes Freitas (Projeto Atletismo Campeão) foi a campeã, com 1,78m. “Não estava entre as favoritas para a vitória, mas queria muito subir ao pódio”, comentou. Arielly Kailayne Monteiro Rodrigues (Rondonópolis), campeã brasileira sub-20, ficou com a prata, também com 1,78m. Valdileia Martins (Orcampi) terminou em terceiro lugar, com 1,75m. Geisa Arcanjo (Pinheiros) confirmou o favoritismo e venceu o arremesso do peso, com 17,22m, seguida de Livia Avancini (IPEC), com 16,94m, e de Milena Jaqueline Sens (ACARISUL), com 16,52m.

Na classificação geral, após quatro etapas, o Pinheiros lidera com tranquilidade, somando 223,5 ponto na busca pelo pentacampeonato. Orcampi está em segundo lugar, com 85 pontos, seguido da AABLU (78), IEMA (36) e CT Maranhão (33 pontos).

O torneio segue até a manhã de domingo (13). Por causa dos protocolos sanitários, criados em função do novo coronavírus (covid-19), não é permitida a presença do público no estádio. As provas, no entanto, podem ser acompanhadas na plataforma streaming do Canal Atletismo.