PUBLICIDADE
Brasil
NOTÍCIA

"No Brasil, não existe racismo", diz Mourão ao comentar sobre assassinato de homem negro no Carrefour

Vice-presidente ainda classificou o caso como "lamentável" e disse que o caso é de uma "segurança totalmente despreparada"

10:07 | 21/11/2020
Questionado por jornalista, o vice-presidente negou  que o caso tenha ocorrido por questões raciais (Foto: Antonio Cruz/ Agência Brasil)
Questionado por jornalista, o vice-presidente negou que o caso tenha ocorrido por questões raciais (Foto: Antonio Cruz/ Agência Brasil)

O vice-presidente, Hamilton Mourão, disse nesta sexta-feira, 20, que no Brasil, “não existe racismo”. A fala é uma declaração sobre caso do assassinato de João Alberto Silveira Freitas, de 40 anos, no supermercado Carrefour, na noite dessa quinta-feira, 19, em Porto Alegre.

Leia Mais | Homem negro é espancado até a morte em supermercado do Carrefour em Porto Alegre 

Mourão ainda classificou o fato como “lamentável” e disse que o caso é de uma “segurança totalmente despreparada”. Questionado por jornalistas, o vice-presidente negou que o caso tenha ocorrido por questões raciais. João Alberto foi espancado e morto por dois seguranças brancos.

Leia Mais | "A última coisa que ele falou para mim foi: 'Milena, me ajuda'", diz esposa de homem espancado até a morte em Porto Alegre

Leia Também | Morte de negro em supermercado causa "indignação e revolta", diz Damares

“Lamentável, né? Lamentável isso aí. Isso é lamentável. Em princípio, é segurança totalmente despreparada para a atividade que ele tem que fazer. Para mim, no Brasil não existe racismo. Isso é uma coisa que querem importar aqui para o Brasil. Isso não existe aqui”, afirmou Mourão.

Perguntado mais uma vez sobre o caso de João Alberto ter sido cometido por questões raciais, o vice-presidente declara: “Eu digo para vocês o seguinte, porque eu morei nos EUA: racismo tem lá. Eu morei dois anos nos EUA, e na escola em que eu morei lá, o 'pessoal de cor' andava separado. Eu nunca tinha visto isso aqui no Brasil. Saí do Brasil, fui morar lá, era adolescente e fiquei impressionado com isso aí. Isso no final da década 60”, disse.