PUBLICIDADE
Brasil
NOTÍCIA

Mãe consegue reunir as cinco filhas que foram dadas ainda crianças pelo marido

A quarta filha teve seu reencontro com a família perto do dia das mães e então faltava encontrar Quelli, a caçula

Júlia Duarte
12:42 | 05/10/2020
Com a confirmação do teste de DNA, a família estava finalmente completa (Foto: Reprodução)
Com a confirmação do teste de DNA, a família estava finalmente completa (Foto: Reprodução)

A dor de ter um filho tomado e a esperança de reencontrá-lo foi o que manteve Marlene dos Santos, de 65 anos, procurando suas cinco filhas, levadas ainda crianças pelo marido. Para elas, a busca terminou com um capítulo feliz, como mostrado no último domingo, 5, em uma reportagem do Fantástico. Após 35 anos anos procurando, Marlene finalmente conseguiu encontrar sua filha caçula, Quelli, e realizou o sonho de reunir todas as filhas.

O pai das meninas sofria de alcoolismo e não deixava Marlene ter contato com as filhas. O homem também se tornou violento com a mulher. "Ele dava muito soco nas costas dela. São cenas que marcam", diz Élia, uma das filhas. Ainda quando eram pequenas, em um ato de violência, o pai resolveu doá-las, a conhecidos, parentes e até desconhecidos. A primeira foi a Neide, a mais velha. Depois foi a vez de Nelma e Élia. Quelli e Michele foram entregues a desconhecidos. Pouco depois, o pai morreu em decorrência do alcoolismo.

"Às vezes eu ainda tenho pesadelos, as coisas que eu vivi", conta Neide, que foi tirada da mãe aos 7 anos. Em alguns casos, a distância era pequena, mas mesmo assim a família não podia se encontrar pela presença do pai. "Meu pai não deixava eu ver minha mãe, a gente morava na mesma rua, eu tinha tias perto também. Uma vez eu fugi, consegui fugir e fui ver minha mãe na casa da minha tia. Quando ele chegou, me bateu muito porque fui ver minha mãe escondida", relembra em meio às lágrimas, Élia.

Quando o homem morreu, as três filhas mais velhas voltaram a conviver com a mãe, mas faltavam as mais novas, Michele e Quelli. A família conseguiu encontrar Michele. O reencontro foi na véspera do Dia das Mães, em Rio das Ostras, na região dos Lagos, no Rio de Janeiro. Faltava apenas a filha caçula Queli, que atualmente estaria com 39 anos.

Por um comentário em uma rede social, a busca parecia chegar ao fim. Com um simples "oiii, sou eu", Quelli Cristiane se apresentou para quem poderia ser sua família. Após três semanas de espera do resultado de teste de DNA, a notícia chegou: a família finalmente está reunida. Quelli é realmente filha de Marlene.

"Sempre incompleta, todas vez que estávamos nós três juntas era sempre 'por onde anda a Quelli, 'por onde anda a Michele'. Foi quando apareceu a Michele e ficou faltando a Quelli, e agora não está mais, está completo", afirmou Neidimar, uma das filhas. Do dia para noite Quelli recebeu quatro irmãs e uma mãe. "Eu sabia que tinha três irmãs que foram dadas. Eu não sabia nem que eram quatro, eu não tinha o começo de nada para procurar nem minha mãe eu sabia que existia", conta ela.