PUBLICIDADE
Brasil
NOTÍCIA

Padre Julio Lancelotti sobre "cristofobia" citada por Bolsonaro: "Temos que pedir ao presidente um glossário"

O líder religioso questionou a fala do chefe do Executivo e falou ainda sobre os ataques que vem sofrendo

Gabriela Almeida
16:22 | 22/09/2020
Padre deu entrevista a Rádio O POVO CBN (Foto: Reprodução/ Facebook)
Padre deu entrevista a Rádio O POVO CBN (Foto: Reprodução/ Facebook)

Rodeado de imagem de santos, com uma roupa simples e o semblante sereno. Foi dessa forma que o padre Julio Lancelotti deu entrevista à Rádio O POVO CBN, nesta terça-feira, 14. Conhecido pela forte atuação junto a pessoas em vulnerabilidade social em São Paulo, o líder religioso questionou a fala feita nesta manhã, em um evento da Organização das Nações Unidas (ONU), pelo presidente Jair Bolsonaro (Sem partido)- que fez um apelo contra a "cristofobia" e alegou que o Brasil é "conservador" e "cristão".

"Talvez a gente precise pedir para o presidente um glossário. Quando ele fala conservador, o que ele quer dizer? Quando ele fala país cristão, o que isso significa? Porque, nos meus conceitos, é difícil chamar o Brasil de um país cristão com tanta favela, com tanta miséria, chamar de conservador com tanta depredação", argumentou o padre.

O sacerdote relembrou que o cristianismo que chegou ao Brasil veio com os portugueses, que "mataram indígenas", exploraram riquezas e "violaram" mulheres. Nesse sentido, o padre aponta que os termos "conservador" e "cristão" foram se instituindo sob esse histórico de invasão, pontuando que "precisamos ver o que chamamos de cristianismo".

| LEIA MAIS |

Alvo de Arthur do Val, padre Julio Lancelotti diz estar sofrendo ameaças

Covas encontra se com Julio Lancellotti, padre alvo de candidato do Patriota

Mídia internacional repercute discurso de Bolsonaro na Assembleia-Geral da ONU

Para Mourão, discurso de Bolsonaro na ONU está dentro da visão do governo

Padre Julio ainda destacou que o Brasil é "escravocrata, elitista, que despreza os povos indígenas, que não tem apreço pelos quilombolas" e onde a lgbtfobia (violência contra LGBTQI+) é "muito forte". Na ocasião, ele também questionou a que tipo de conservadorismo Bolsonaro se referia: "É conservação da Amazônia? do Pantanal? Da história?"

Sobre o termo "cristofobia", utilizada pelo presidente, o padre também comentou: "Quem tem fobia ao cristo são aqueles que o matam. (...) Os cristofóbicos são aqueles que Jesus vai dizer: 'Eu estava com fome e não me destes de comer, estava com sede e não me destes de beber'".

Luta pelos vulneráveis e ataques recebidos

Atuando fervorosamente junto às pessoas em situação de rua em São Paulo, incluindo aqueles da região conhecida como "cracolândia", o padre tem sido alvo de ataques populares e do candidato a prefeitura paulista, Arthur do Val. Isso porque o proponente bolsonarista adota um discurso de "higienização" da cidade, propondo retirar da rua aqueles que vivem nela.

Na última semana, Lancelotti chegou a gravar um vídeo afirmando que havia sido xingado na rua por um homem, que o chamou de "padre filho da puta que defende noia". À Rádio O POVO CBN, o sacerdote pontuou que estamos vivendo a "liberação de um ódio que já existia", mas que agora está sendo normatizado.

Demostrando a fé com a qual recentemente recusou uma escolta policial em sua defesa, o padre deixou claro que continuaria lutando em prol das pessoas mais vulneráveis e revelou uma técnica que utiliza para discernir seus passos: "Diante das situações difíceis, eu penso: como Jesus faria?".

Por fim, Júlio fez um apelo para que as pessoas ajudassem àquelas em situação de rua, destacando a importância de realizar ações humanas mesmo não vendo resultados rápidos. "Não vamos ver o êxito da nossa luta, o objetivo não é esse (...) A gente precisa ter muita esperança, uma esperança teimosa, de quem não desiste", desabafou.

O sacerdote também pediu para que as pessoas não fossem racistas, homofóbicas ou transfóbicas, e sim  mais humanas. Ao ser questionado se ele era chamado de comunista pela forma como atua-, o padre brincou: "Me chamam bastante disso, mas sabe o que me alegra? Não ser chamado de capitalista".

Assista à entrevista: