PUBLICIDADE
Brasil
NOTÍCIA

ONU: mesmo com inúmeras queimadas, Bolsonaro afirma que País é líder em conservação de florestas

Presidente falou sobre o País ser o que mais preserva florestas tropicais. Dados de entidades mostram o contrário

Catalina Leite
13:16 | 22/09/2020

O presidente da República Jair Bolsonaro (sem partido) falou sobre preservação ambiental durante discurso gravado para a Assembleia Geral da Organização das Nações Unidas (ONU) nesta terça-feira, 22. Mesmo o País enfrentando queimadas constantes desde o ano passado na Amazônia, Bolsonaro afirmou que o Brasil é líder em conservação de florestas tropicais. Entidades de meio ambiente contrariam as informações presentes no discurso do presidente. 

De acordo com dados da plataforma Global Forest Watch, o Brasil foi o que mais desmatou florestas tropicais primárias em 2019, totalizando 1 milhão e 361 mil hectares desmatados. Equivale dizer que a cada seis segundos, um campo de futebol era destruído no ano. Em 2018, o País já tinha perdido 1 milhão e 347 mil hectares de florestas tropicais, conforme a plataforma.

O presidente também disse que o País preserva 66% da vegetação nativa. A informação é verdadeira, porém, incompleta. Como pontua o Observatório do Clima (OC), pelo menos 9% da vegetação preservada é secundária. “Ou seja, são áreas que já foram desmatadas e voltaram a crescer. Não estão, portanto, protegidas nem preservadas”, publica a organização.

LEIA TAMBÉM | O mundo preocupado com o fogo na Amazônia

+Em carta a Mourão, países da Europa cobram contenção do desmatamento na Amazônia

Essas matas secundárias podem surgir após desmatamentos causados por queimadas, mas o processo demanda tempo, explicou em entrevista ao O POVO a doutora em Desenvolvimento e Meio Ambiente, Magda Maya. “A natureza tem essa resiliência”, afirmou. No entanto, conforme Magda, o solo raramente tem tempo para se recuperar, pois geralmente é invadido por grileiros e utilizado para a agropecuária.

O presidente Bolsonaro também comentou sobre o agronegócio. Parabenizou os produtores rurais por terem “trabalhado como nunca” e afirmou que apenas 27% do território brasileiro são destinados para agricultura e pecuária: “Números que nenhum país possui”, destacou. Segundo o Observatório do Clima, porém, o País tem 30% do território em agropecuária, a média mundial.


Desmerecimento das queimadas

 

O Pantanal já teve 22% (33.078 km²) de seu território consumido pelo fogo, conforme dados do Laboratório de Aplicações de Satélites Ambientais, da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ). A porcentagem equivale a cerca de 106 cidades de Fortaleza. O presidente Bolsonaro indicou que o fogo é normal em razão da temperatura. 

Apesar de o Pantanal (bioma caracterizado por grandes áreas alagadas) estar enfrentando período de clima seco, o que favorece a expansão de queimadas, Magda explica que as pessoas se aproveitam das condições para começar incêndios. 

LEIA TAMBÉM | Pantanal já perdeu 19% da área por queimadas: entenda os efeitos do colapso ambiental, da saúde à economia

+85% de maior refúgio de onças-pintadas no mundo foi destruído por incêndio

A mesma realidade é constatada na Amazônia. Uma nota técnica do Instituto de Pesquisa Ambiental da Amazônia (Ipam), publicada em abril de 2020, afirma que “a temporada de fogo de 2019 na Amazônia teve relação clara com o aumento do desmatamento e não com um clima mais seco”. 


Em relação ao fator de ignição das queimadas, o presidente disse que “o caboclo e o índio queimam seus roçados em área desmatada”. A Polícia Federal investiga, entretanto, cinco fazendeiros responsáveis pelas queimadas no Mato Grosso do Sul.

LEIA TAMBÉM | Desmatamento reforça posição contrária a acordo Mercosul-UE, diz premiê francês

Em nota, o Observatório do Clima avalia o discurso de Bolsonaro como “calculadamente delirante”, de forma a “mais uma vez expor o País de forma constrangedora”. “Ao negar simultaneamente a crise ambiental e a pandemia, o presidente dá a trilha sonora para o desinvestimento e o cancelamento de acordos comerciais no momento crítico de recuperação econômica pós-Covid”, analisa a organização.