PUBLICIDADE
Brasil
NOTÍCIA

"Um dia que dói", declarou Glória Perez em homenagem à filha que faria 50 anos nesta terça, 11

A atriz Daniella Perez foi morta em 1992 pelo seu colega de trabalho Guilherme de Pádua e a esposa dele na época, Paula Thomaz

Alan Magno
22:05 | 11/08/2020
Glória Perez posta vídeo em homenagem à filha, que faria 50 anos hoje, 11 de agosto (Foto: Reprodução Instagram)
Glória Perez posta vídeo em homenagem à filha, que faria 50 anos hoje, 11 de agosto (Foto: Reprodução Instagram)

A escritora e romancista, Glória Perez, publicou nesta terça-feira, 11, um vídeo em homenagem à filha,  Daniella Perez. A atriz estaria completando 50 anos hoje. No vídeo, Daniella aparece dançando e rindo em um momento de descontração na sala de casa. “11 de agosto. Cada aniversário faz a conta de um tempo que ela não viveu. É um parto às avessas", escreveu na legenda da publicação. 

Daniella foi assassinada pelo também ator, Guilherme de Pádua, e sua esposa na época, Paula Thomaz. Guilherme era colega de trabalho da atriz e trabalhava como par romântico dela na trama da telenovela "De Corpo e Alma", da mãe da atriz. O crime ocorreu em 28 de dezembro de 1992, ao término das gravações da novela do mesmo dia.

"Um dia que doí”, declarou Glória também na legenda da publicação ao vivenciar mais um aniversário da filha com a ausência e a saudade. Diante da homenagem, a escritora recebeu o apoio de diversas celebridades do meio artístico nacional. 

A romancista anualmente posta homenagens à filha nas datas do aniversário e também no dia em que Daniella foi assassinada. Glória, por vezes, além da saudade e luto, expressa também indignação e raiva diante da liberdade dos autores do crime que tirou a vida de sua filha. 

 
 
 
Ver essa foto no Instagram
 
 

11 de agosto. Cada aniversário faz a conta de um tempo que ela não viveu. É um parto às avessas. Um dia que doi..

Uma publicação compartilhada por Gloria Perez (@gloriafperez) em


“Você não está sozinha, força!! Um abraço bem apertado”, disse a atriz Carla Diaz em apoio à Glória. “Sempre ao seu lado, querida”, frisou o também romancista e escritor, amigo intimo de Glória, Walcyr Carrasco. “Receba meu carinho”, pontuou o jornalista Evaristo Costa.

Os atores Maurício Mattar, Maria Fernanda Cândido e Monique Alfradique também prestaram solidariedade à Glória. Claudia Mauro, também atriz e amiga de Daniella, replicou a homenagem. Em seu Instagram, ela postou uma série de fotos da atriz e afirmou:"Foram tantas danças em festas de aniversário, tantas conversas, risadas, tanta coisa bonita. E ao mesmo tempo, tão pouco tempo...”. 

 

 

O CASO 

Segundo relatórios da condenação dos envolvidos, no dia de sua morte, Daniella foi seguida por Guilherme, teve seu carro trancado por ele e depois foi agredida com um soco e então desmaiou. Ela foi então raptada e conduzida ainda desmaiada pelo casal para uma região de mata no Rio de Janeiro. As investigações apontaram que a esposa de Guilherme, Paula, grávida de 4 meses na época, também participou do crime. 

Juntos, o casal deferiu 18 perfurações com um punhal na atriz, que ao ser abandonada no matagal, morreu devido aos ferimentos. De acordo com informações da plataforma pública de processos jurídicos do Brasil, Jusbrasil, Guilherme, estaria preocupado com sua carreira após ter recebido o roteiro semanal da novela "De Corpo e Alma" e ter percebido que seu personagem não teria participações em dois episódios daquela semana. 

Ele que admitiu, em conversa com policiais ao ser detido, ter tentado se aproximar de Daniella fora das gravações por diversas vezes com o intuito de garantir vantagens na trama escrita pela mãe da atriz, teria cometido o crime por acreditar que Daniella estava influenciando a mãe para que o papel de Guilherme se tornasse secundário. A esposa, teria cooperado após ser incentivada por ciúmes do marido da atriz. 

O casal foi preso um dia após o crime ficou preso aguardando julgamento por cerca de quatro anos. Em 15 de janeiro de 1997, Guilherme foi condenado a 19 anos de prisão por homicídio qualificado. Meses depois, sua esposa, Paula Thomaz, recebeu a pena de 18 anos e 6 meses por ser coautora do crime.  

Em 1999, o casal deixou o regime fechado após conseguir a progressão de pena para o regime semiaberto por já terem cumprido sete anos da sentença total e apresentado bom comportamento. Guilherme, em 2017 iniciou ainda uma carreira como pastor evangélico. O contexto religioso foi abandonado em 2019, quando decidiu lançar uma carreira de modelo.