PUBLICIDADE
Brasil
NOTÍCIA

São Paulo pretende criar maior museu brasileiro de grafite a céu aberto

As artes são criações de quinze artistas consagrados nacional e internacionalmente, por seus diferentes estilos e correntes culturais

Ismia Kariny
10:54 | 10/08/2020
Arte em grafite produzida por Alex Senna em empena de um prédio em São Paulo (Foto: REPRODUÇÃO/INSTAGRAM @nalata.festival)
Arte em grafite produzida por Alex Senna em empena de um prédio em São Paulo (Foto: REPRODUÇÃO/INSTAGRAM @nalata.festival)

São Paulo deve criar o maior museu brasileiro de grafite a céu aberto até 20 de agosto desde ano. O projeto compreende o conjunto de 12 obras de grafite criados por 15 artistas nacionais e internacionais, na 1ª edição do NaLata Festival Internacional de Arte Urbana. Ao todo, eles pretendem produzir 3689 m² de arte em grafite e consolidar São Paulo como a capital mundial do grafite. As informações são do portal de notícias do G1.

Por causa do isolamento social, o festival no formato físico foi adiado para 2021. Este ano, O grafite, feito em empenas de prédios (faces sem janelas dos edifícios) dá um acesso democrático e irrestrito das obras de arte urbana que podem ser apreciadas por quem passa nas ruas.

“As paredes têm sua própria identidade, contam suas histórias. O corredor cultural promovido pelo NaLata, com suas empenas e murais, é a oportunidade de estar conectado com a forte presença da arte urbana, desenvolver novos negócios, fortalecer o turismo e admirar a cidade por este outro ângulo”, afirmou em nota enviada ao G1, o sócio da agência InHaus, Juliano Libman.

Leia também | O Brasil entre o arcaico e o moderno retratado por Florestan Fernandes

As artes são criações de quinze artistas consagrados nacional e internacionalmente, por seus diferentes estilos e correntes culturais. A realização é da Agência InHaus e curadoria do Luan Cardoso. O NaLata também conta com a presença dos artistas brasileiros: Alex Senna, Enivo, Evol, Marcelo Eco, Mari Mats, Mateus Bailon, Pri Barbosa e Rafael Sliks.

A muralista colombiana Gleo também participa da iniciativa. Ela é reconhecida por usar tinta tinta látex, pincéis e rolos de pintura para criar personagens imaginativos e vibrantes. O festival ainda tem a participação da muralista mexicana Paola Delfín, artista que traz em suas obras a proposta de criar consciência social.

Outros cinco nomes foram selecionados, dentre 234 inscritos no concurso “Novos Talentos Murais SP”, que visa trazer novos artistas à cena. Foram convidados para fazer pinturas em murais e fachadas que integram o festival: Selon, Thiago Nevs, Pixote Mushi, Fe Ikehara e Serifa.

As obras podem ser conferidas nos seguintes endereços:

Rua dos Pinheiros, 1474. Artistas: Mateus Bailon, Paola Delfin, Gleo e Pri Barbosa -
Av Faria Lima, 1134. Artistas: Selon e Marcelo Eco
Rua Artur de Azevedo, 985. Artistas: Alex Senna e Selon
Rua Capitão Prudente, 151. Artista: Mari Mats
Rua Campo Alegre, 60. Artista: Enivo
Rua Dos Pinheiros 2767. Artista: Thiago Nevs
Largo da Batata (metrô). Artistas: Sliks e Evol