PUBLICIDADE
Brasil
NOTÍCIA

Nove estados e DF anunciam retorno da rede de educação a partir de agosto; Ceará ainda não tem data

Veja o cronograma dos estados; Ceará ainda não têm previsão para retorno da rede pública

12:33 | 21/07/2020
FORTALEZA, CE, BRASIL, 13.07.2020:  Escola particular no bairro Passaré se prepara para o retorno às aulas presenciais (Foto: FCO FONTENELE)
FORTALEZA, CE, BRASIL, 13.07.2020: Escola particular no bairro Passaré se prepara para o retorno às aulas presenciais (Foto: FCO FONTENELE)

Aos poucos, os estados brasileiros estão decidindo pela retomada das aulas presenciais na rede pública, suspensas pela pandemia de Covid-19. Dos 26 estados, nove já anunciaram o retorno a partir de agosto, além do Distrito Federal. O Ceará ainda não têm previsão de retorno após retirada do setor da 4ª fase do Plano de Retomada Econômica. Veja quando e como será a retomada dos nove estados e DF:

Maranhão

De acordo com nota da Secretaria da Educação de Maranhão, o retorno presencial dos estudantes está programado para o dia 10 de agosto, somente para o terceiro ano do Ensino Médio. No documento, o secretário da Educação Felipe Camarão afirmou que a volta será gradual: primeiro os professores, equipes administrativas e pedagógicas no dia 31 de julho e depois os pré-vestibulandos, em agosto.

“Seguiremos observando as avaliações das autoridades sanitárias para definir novos passos na liberação de estudantes de novas séries”, declarou o secretário em nota. As escolas seguirão série de medidas para evitar aglomerações nas escolas, como a adoção do ensino híbrido.

Os estudantes de cada escola serão distribuídos em dois grupos, que deverão ser alternados semanalmente, explica a secretaria. Enquanto um grupo estiver em atividade presencial escola, o outro permanecerá em casa, executando atividades remotas passadas pelos professores.

Rondônia

Sem data certa para retorno, a Secretaria de Educação de Rondônia aguarda a definição dos protocolos de segurança para definir o dia para retomada das aulas presenciais. De acordo com Decreto Estadual nº 25.138, de 15 de junho, assinado pelo governador de Rondônia, Marcos Rocha, as atividades da rede de ensino estadual, municipal e privada estão suspensas até dia 31 de julho.

Enquanto isso, os estudantes permanecem em aulas remotas. “As aulas remotas, durante esse período de pandemia da Covid-19, são uma forma de ofertar o ensino e manter o vínculo com a escola, e garantir a segurança dos nossos alunos, professores e demais profissionais da educação”, explica, em nota, o secretário Suamy Vivecananda.

Tocantins


A Secretaria de Educação de Tocantins planeja retorno para aulas “semipresenciais” a partir de 3 de agosto. A previsão é que os alunos do terceiro ano do ensino médio sejam os primeiros a retornar: metade deles voltariam no dia 3 de agosto, enquanto a outra metade ficaria em casa. Uma semana depois, a partir do dia 10 de agosto, as metades revezariam.

Segundo o portal G1 Tocantins, a pasta irá avaliar a eficiência do modelo após as duas primeiras semanas. Todos devem receber Equipamentos de Proteção Individual (EPIs), assim como os professores. Caso o sistema funcione, as outras turmas de ensino médio retornariam, metade no dia 17 de agosto e o restante no dia 24 de agosto, mantendo o revezamento.

Para as turmas do ensino fundamental, o mesmo processo ocorreria a partir de setembro. A secretaria espera que os pré-vestibulandos consigam encerrar o ano letivo em 2020 e que os demais cumpram a carga horária faltante em 2021, simultaneamente com as aulas do próximo ano letivo.

Rio Grande do Norte

Pelo Decreto Estadual nº 29.794, de 30 de junho de 2020, as aulas presenciais das unidades de ensino da rede pública e privada do Rio Grande do Norte estão suspensas até dia 14 de agosto, uma sexta-feira. Assim, fica definido o dia 17 de agosto como possível data de retorno das atividades presenciais.

Distrito Federal

Segundo nota da Secretaria de Educação do Distrito Federal, os primeiros estudantes a retornarem serão os da Educação de Jovens e Adultos (EJA) e da educação profissional, no dia 31 de agosto. No dia 8 de setembro, retornarão os alunos do ensino médio. Depois, no dia 14 de setembro, é a vez dos estudantes dos anos finais do ensino fundamental.

A educação infantil será a última, no dia 28 de setembro. “Nós testaremos os professores, cumpriremos todos os protocolos, e teremos um retorno do processo educacional, mas de forma segura e absolutamente planejada”, afirma o secretário de Educação do DF, Leandro Cruz. Algumas medidas sanitárias a serem adotadas serão a desinfecção e higienização das dependências escolares, os protocolos de distanciamento e os de lavar as mãos ao entrar nas escolas.

Acre, Santa Catarina e São Paulo

Segundo informações do G1, os estados do Acre, Santa Catarina e São Paulo devem retornar simultaneamente no dia 8 de setembro.

Em Santa Catarina, o Decreto Estadual nº 724, de 17 de julho de 2020, suspendeu todas as aulas presenciais da rede pública e privada até 7 de setembro. Além dos fatores como comprometimento do sistema de saúde, o secretário Natalino Uggione afirmou que as redes públicas ainda estão reparando os danos causados pelo vendaval que atingiu centenas de escolas em Santa Catarina.

Já em São Paulo, a retomada depende de todas as regiões do estado permanecerem na etapa amarela do Plano São Paulo – a terceira menos restritiva segundo critérios de capacidade hospitalar e progressão da pandemia – por 28 dias consecutivos. É o que explica nota da Secretaria da Educação de SP. De acordo com o secretário da pasta, Rossieli Soares, alunos ou funcionários que pertencerem aos grupos de risco continuarão fora das atividades presenciais.

Piauí e Paraná

Segundo informações do G1, o estado de Piauí deve retornar às aulas presenciais no dia 22 de setembro. O setor da educação será um dos últimos a abrir no estado, juntamente com os segmentos de artes, cultura, esporte e recreação e serviços domésticos.

O estado do Paraná, por sua vez, planeja retornar em setembro, mas sem data definida. A Secretaria de Estado da Educação e do Esporte (Seed) do Paraná tem se reunido com o Comitê de Volta às Aulas, devendo apresentar ao grupo um plano de retorno até dia 30 de julho, afirma nota da Seed.