PUBLICIDADE
Brasil
NOTÍCIA

Luciano Hang, dono da Havan, é condenado a pagar R$300 mil por ofensas à OAB

O juiz Leonardo Cacau Santos La Bradbury, da 2ª Vara da Justiça Federal em Florianópolis, considerou que as publicações e expressões estariam "longe de se constituir em direito de liberdade de expressão e de crítica"

09:48 | 30/06/2020
Ele é o dono da rede de lojas Havan (Foto: Reprodução)
Ele é o dono da rede de lojas Havan (Foto: Reprodução)

O empresário e dono da rede de lojas Havan, Luciano Hang, foi condenado a pagar R$ 300 mil por danos morais coletivos por ofensas à Ordem dos Advogados do Brasil (OAB). Os comentários foram feitos em redes sociais no dia 5 de janeiro de 2019, mas foram retiradas do ar por decisão liminar. As informações são do portal G1.

LEIA MAIS| Bilionário, dono da Havan foi aprovado no auxílio emergencial de R$ 600 do Governo Federal

Segundo a justiça, o empresário escreveu trechos como "A OAB é uma vergonha. Está sempre do lado errado. Quanto pior melhor, vivem da desgraça alheia. Parecem porcos que se acostumaram a viver num chiqueiro, não sabem que podem viver na limpeza, na ética, na ordem e principalmente ajudar o Brasil. Só pensam no bolso deles, quanto vão ganhar com a desgraça dos outros. Bando de abutres”.

LEIA MAIS| Dono das lojas Havan, Luciano Hang, é condenado por atacar reitor da Unicamp com fake news

O juiz Leonardo Cacau Santos La Bradbury, da 2ª Vara da Justiça Federal em Florianópolis, considerou que as publicações e expressões estariam “longe de se constituir em direito de liberdade de expressão e de crítica (...)", além de serem avaliadas como violação a direitos fundamentais, bem como a honra, imagem e dignidade dos profissionais da classe.

Segundo o juiz, os textos seriam enquadrados como dano moral coletivo divisível, já que a publicação ofensiva é dirigida também a advogados inscritos na instituição. O valor da indenização deverá ser destinado a uma Campanha de Valorização da Advocacia.

LEIA MAIS| Luciano Hang pede dinheiro para Olavo de Carvalho em grupo de WhatsApp com empresários

Da decisão, cabe sentença. Segundo a advogada Regiane Moresco, que representa o empresário neste caso, até as 20h, a defesa não havia sido intimada da sentença.