PUBLICIDADE
Brasil
NOTÍCIA

MEC adia inscrições do segundo semestre do Sisu 2020 para 7 a 10 de julho

As inscrições começariam nesta terça-feira, 16, mas o edital ainda não havia sido divulgado

Lais Oliveira
14:08 | 16/06/2020
A pasta disse que, até o momento, mais de 51 mil vagas foram disponibilizadas por 57 instituições públicas. (Foto: Elza Fiuza/Agência Brasil)
A pasta disse que, até o momento, mais de 51 mil vagas foram disponibilizadas por 57 instituições públicas. (Foto: Elza Fiuza/Agência Brasil)

Depois da reclamação de estudantes sobre a ausência de um edital para a segunda edição do Sistema de Seleção Unificada (Sisu) 2020, o Ministério da Educação (MEC) confirmou nesta terça-feira, 16, que as inscrições do programa foram adiadas para ocorrerem entre os dias 7 e 10 de julho. Antes, as inscrições começariam hoje e seguiriam até o dia 19 de junho. 

Em nota enviada ao O POVO, o MEC assegurou os novos prazos e informou que "o edital com o novo prazo será publicado nos próximos dias no Diário Oficial da União" (DOU). A pasta disse ainda que, até o momento, mais de 51 mil vagas foram disponibilizadas por 57 instituições públicas, porém o número pode aumentar. Nessa edição, haverá a oferta de vagas em cursos à distância.

Na manhã desta terça-feira, 16, o Sisu esteve entre os assuntos mais comentados do Twitter por causa da ausência do edital, documento oficial que detalha o cronograma e demais procedimentos relativos ao programa do Governo Federal.

Estudantes cobravam também um posicionamento do MEC em relação a uma possível mudança de datas tendo em vista a pandemia causada pela Covid-19. O Sisu é uma das principais formas de ingresso no Ensino Superior do País.

Ministro deve deixar pasta

A mudança ocorre em meio ao impasse sobre a saída do ministro da educação, Abraham Weintraub. De acordo com informações passadas nesta segunda-feira, 15, pela colunista Mônica Bergamo, da Folha de S. Paulo, uma pessoa próxima ao presidente teria comunicado aos ministros do Supremo Tribunal Federal (STF) que o chefe da pasta estaria com "os dias contados" no governo.