PUBLICIDADE
Brasil
NOTÍCIA

"Imagine as coisas que foram ditas por fora", diz Greta Thunberg sobre postura de Ricardo Salles em reunião ministerial

Ativista publicou comentários no Twitter

11:54 | 23/05/2020
Não é a primeira vez que Greta critica o governo brasileiro; ativista já ironizou frase na qual o presidente Jair Bolsonaro a chamou de
Não é a primeira vez que Greta critica o governo brasileiro; ativista já ironizou frase na qual o presidente Jair Bolsonaro a chamou de "pirralha" (Foto: Reprodução/Instagram)

A jovem ativista sueca Greta Thunberg usou seu perfil no Twitter neste sábado, 23, para criticar a postura de Ricardo Salles, ministro brasileiro do Meio Ambiente, durante o vídeo da reunião ministerial do dia 22 de abril, divulgada na íntegra nesta sexta-feira, 22.

Na postagem, Greta pega uma das frases citadas pelo ministro e complementa: "Imagine as coisas que foram ditas fora da câmera... nosso futuro comum é apenas um jogo para eles. #SalvemAAmazônia".

Na reunião do último dia 22 de abril, um dia antes de Sergio Moro pedir demissão, Bolsonaro expôs falas sobre a interferência na Polícia Federal do Rio de Janeiro. Além da fala do Executivo, outros titulares também fizeram declarações sobre a situação atual do País, o que inclui Salles. 

LEIA TAMBÉM | OP+: Divulgação de vídeo expõe governo Bolsonaro; impactos em inquérito ainda são incertos

Durante o evento, o ministro falou em aproveitar o “alívio” dado pela mídia à pasta para flexibilizar regulamentações ambientais. Segundo Salles, haveria uma “oportunidade” devido à pandemia para “passar as reformas infralegais de desregulamentação”. Para ele, seria o momento certo de "ir passando a boiada e mudando todo o regramento e simplificando normas. De Iphan, de Ministério da Agricultura, de Ministério de Meio Ambiente".

As falas de Salles vêm durante um período crítico na Amazônia. Em dados divulgados no dia 8 de maio pelo Instituto Brasileiro de Pesquisas Espaciais (Inpe), o desmatamento na região atingiu um novo recorde nos primeiros quatro meses do ano. Isso significa um aumento de 55% em relação ao mesmo período do ano passado e é o número mais alto para o período de janeiro a abril desde 2016, quando as medições foram iniciadas.

LEIA TAMBÉM | ONG denuncia suspensão de multas ambientais por Bolsonaro