PUBLICIDADE
Brasil
Noticia

Policía investigará caso de bebê tido como morto em hospital, encontrado vivo depois, mas que não resistiu

O corpo do bebê foi levado para o Instituto Médico Legal (IML) ainda na última segunda-feira, 13, onde passou por exames para determinar a causa da sua morte

17:00 | 14/01/2020

A Polícia Civil realizará investigação para desvendar o caso da morte de um bebê no último domingo, 12, em hospital em Foz do Iguaçu, no Paraná. A criança foi tida como morta, mas encontrada viva por um agente funerário dentro da unidade hospitalar. As informações são do portal G1.

De acordo com a família, o bebê que tinha apenas 49 dias foi levado ao hospital Unimed Foz de Iguaçu na noite do sábado, 11, após a criança ter tido um refluxo por ingestão de uma fórmula à base de leite em pó. Os pais do bebê afirmam que o produto foi indicado para o filho após orientação pediátrica. Na mesma noite, a criança foi medicada e permaneceu internada. No dia seguinte, por volta das 16h30min, o hospital declarou a morte do bebê.

Na noite do domingo, a família teria recebido uma ligação de um agente funerário dizendo que tinha encontrado o bebê com vida. Segundo a família, depois disso   criança foi transferida para a Unidade de Terapia Intensiva (UTI) pediátrica do Hospital Ministro Costa Cavalcanti. Segundo o hospital, o bebê deu entrada na unidade às 22h48, mas não resistiu e morreu na última segunda-feira, 13. Os pais da criança registraram um Boletim de Ocorrência (BO) sobre o caso. O corpo do bebê foi levado para o Instituto Médico Legal (IML) ainda na última segunda, quando passou por exames para determinar a causa da sua morte.

Em nota, a Unimed Foz do Iguaçu informou que essa situação é considerada um fato inédito na história do hospital e que prestou todos os devidos atendimentos ao bebê. "Em momento algum o menor saiu do hospital a não ser quando foi encaminhado a unidade de terapia intensiva. Deve ser ressaltado também, que assim que forem efetivadas as apurações necessárias, serão noticiadas as conclusões tomadas", diz nota.