PUBLICIDADE
Brasil
Noticia

Paulo Coelho comenta suspeita de que Raul Seixas o entregou para ditadura militar: "Fiquei quieto por 45 anos"

O caso veio à tona após o jornalista Jotabê Medeiros, escritor do livro "Raul Seixas: Não Diga que a Canção Está Perdida", divulgar um documento revelando que os militares chegaram ao escritor "por intermédio" do cantor

16:22 | 23/10/2019
Raul Seixas teria entregado Paulo Coelho para a ditadura militar, diz livro.
Raul Seixas teria entregado Paulo Coelho para a ditadura militar, diz livro. (Foto: Divulgação/Instituto Paulo Coelho)

Raul Seixas teria entregado Paulo Coelho aos militares na época da ditadura. A informação estava em seu perfil no Twitter na manhã desta quarta-feira, 23. Na publicação, ele cita matéria da Folha de S. Paulo sobre o livro "Raul Seixas: Não Diga que a Canção Está Perdida", que será lançado no próximo dia 1º de novembro. A obra, escrita pelo jornalista Jotabê Medeiros, traz à tona um documento revelando que as autoridades teriam chegado a Coelho "por intermédio" do cantor.

"Fiquei quieto por 45 anos. Achei que levava segredo para o túmulo", escreveu Paulo Coelho.

No livro, o jornalista afirma que o cantor foi convocado para depor no Departamento de Ordem Policial e Social (Dops) poucas semanas antes de Paulo ser detido pelos militares. O fato aconteceu em maio de 1974, quando os dois artistas faziam sucesso com o disco "Krig-ha, Bandolo". De acordo com Medeiros, Raul teria ligado para o amigo e pedido para que ele o acompanhasse e o ajudasse a prestar esclarecimentos sobre as músicas feitas por eles.

Contudo, o que o escritor não sabia era que aquela não era a primeira vez que Raul ia ao prédio. Em uma entrevista para a Folha de S.Paulo, em março deste ano, Paulo Coelho relembrou as sessões de tortura que sofreu na ditadura, que duraram cerca de duas semanas.

Após a repercussão do caso, o escritor voltou a comentar o caso, afirmando que não estava acusando o músico. "Não confirmei e não confirmo nada. Eu apenas vi o documento e me senti abandonado na época. Por isso não quis dar entrevista", disse.