Participamos do

Coleta de esgoto realizada por empresas privadas supera média nacional, aponta estudo da CNI

De acordo com o levantamento, as empresas privadas são 20 pontos percentuais mais eficientes que as demais
22:18 | Set. 10, 2019
Autor David Moura
Foto do autor
David Moura Autor
Ver perfil do autor
Tipo Notícia

As companhias privadas de saneamento básico registram índice médio para coleta de esgoto de 72,3% nas cidades onde atuam, contra a média nacional (52,3%). É o que mostra o estudo da Confederação Nacional da Indústria (CNI) “A importância da concorrência para o setor de saneamento básico”, divulgado hoje, 10. O cálculo considerou todas as concessões plenas de água e esgoto existentes em 12 das 27 unidades da Federação.

Os números mostram a importância de o país ampliar a participação privada no saneamento básico, no qual é o setor mais atrasado da infraestrutura brasileira. Atualmente, 99 milhões de brasileiros não possuem acesso a redes de esgoto. Na avaliação da CNI, a situação não vai mudar se persistir o atual cenário de falta de concorrência entre as empresas.

Apesar de a Constituição prever que a competência para operar o saneamento seja municipal, as cidades podem delegar o serviço para o Estado ou para iniciativa privada. Atualmente, as companhias estaduais atendem 73% do mercado nacional, porém não estabelecem metas claras de investimentos ou de atendimento e são constantemente renovados sem que haja avaliação sistêmica da qualidade e eficiência do serviço prestado.

Seja assinante O POVO+

Tenha acesso a todos os conteúdos exclusivos, colunistas, acessos ilimitados e descontos em lojas, farmácias e muito mais.

Assine

Baixos Investimentos

O Brasil acumula três anos consecutivos de redução nos investimentos do setor de água e esgoto. De acordo com os últimos dados do Sistema Nacional de Informações sobre Saneamento (SNIS), o País investe em média R$ 10,9 bilhões por ano, quase metade dos R$ 21,6 bilhões necessários para cumprir a meta do Plano Nacional de Saneamento Básico (Plansab) de universalizar os serviços de abastecimento de água e coleta de esgoto até 2033, que só teve realmente acontecer em 2065. 

Dúvidas, Críticas e Sugestões? Fale com a gente

Tags