PUBLICIDADE
Brasil
NOTÍCIA

Mãe pedia para filha de 13 anos abusada pelo pai "ter paciência" e não contar para ninguém

A mãe está em liberdade e o agressor está preso. Ministério Público e Conselho Tutelar decidirão se a adolescente continua vivendo com a mãe ou se ela será inserida em algum programa de proteção

09:47 | 19/07/2019

A mãe de uma adolescente de 13 anos, estuprada pelo próprio pai, ameaçava bater na garota caso ela contasse para outras pessoas. O caso em Nova Olinda, região norte do Tocantins, só foi descoberto porque a adolescente, em junho deste ano, pediu socorro para um amigo através de um aplicativo de mensagens em uma rede social.

Na conversa, ela afirmava que estava sofrendo abusos sexuais do pai e “não aguentava mais” a situação. Após a Polícia ser acionada, o pai foi preso em flagrante. Na hora da prisão, ele vestia um shorts rasgado. Segundo a investigação, a menina chegou a contar para a mãe sobre o abuso duas vezes.

Conforme o delegado do caso, Luís Gonzaga Neto, no dia anterior à prisão, a garota havia entrado em contato com a mãe para relatar os abusos. A mulher, que estava no hospital após ter uma criança, disse para a filha “ter paciência que depois ela ia resolver tudo”. A polícia acredita que a menina estava sendo abusada pelo pai desde 2015, sob o conhecimento da mãe. A investigação também apontou que os irmãos sabiam dos abusos.

“A mãe proibia as crianças de falar sobre os abusos sexuais, sob pena de bater, das crianças apanharem. No dia da prisão, uma criança de nove anos falou, claramente: a mãe sabia de todos os abusos que o pai praticava”, contou o delegado ao programa Balanço Geral, da TV Record. O agressor foi indiciado por estupro de vulnerável majorado, por ser pai da vítima, e por posse e porte ilegal de arma de fogo.

Mãe e filha continuam morando juntas. A mãe está em liberdade e o agressor está preso. Ficará à cargo do Ministério Público e do Conselho Tutelar decidir se a adolescente continua vivendo com a mãe ou se ela será inserida em algum programa de proteção a crianças e adolescentes.

Redação O POVO Online