Participamos do

Por dentro do Grupo H

01:30 | Jun. 07, 2018
Autor Gabrielle Zaranza
Foto do autor
Gabrielle Zaranza Estagiária de Agenda Cultural do Vida&Arte
Ver perfil do autor
Tipo Notícia

Embora não conte com nenhuma seleção badalada, o grupo H é o que apresenta maior equilíbrio. Cabeça de chave, a Polônia é referendada pelo ótimo momento do atacante Robert Lewandowski. 

 

Com 16 gols nas Eliminatórias, ele bateu recorde de tentos marcados em uma mesma edição da classificatória para a Copa. Na briga pela liderança, a Polônia terá concorrente de nível.

Seja assinante O POVO+

Tenha acesso a todos os conteúdos exclusivos, colunistas, acessos ilimitados e descontos em lojas, farmácias e muito mais.

Assine


A Colômbia, apesar de não ter feito grande campanha nas Eliminatórias Sul-Americanas, tem a continuidade de trabalho do técnico José Perkerman, no comando desde 2012. O goleiro Ospina (Arsenal-ING), o zagueiro Yerry Mina (Barcelona-ESP), os meias James Rodríguez (Bayern de Munique-ALE) e Quadrado (Juventus-ITA) e o atacante Falcao García (Monaco-FRA) são os destaques.


Correndo por fora, Senegal e Japão têm qualidades distintas. Com muita força física, solidez defensiva e velocidade de saída para o ataque, os senegaleses contam com a ótima fase do atacante Mané (Liverpool-ING). Já o Japão, com poucos jogadores de muita qualidade técnica, deve depender do meia

Keisuke Honda (Pachuca-MEX). Pela dificuldade de articulação de jogadas, é uma equipe que tem muitas bolas longas. A esperança fica por conta da grande disciplina tática e entrega coletiva.


LEWANDOWSKI

É A ESPERANÇA DA POLÔNIA NA COPA

Dúvidas, Críticas e Sugestões? Fale com a gente