PUBLICIDADE
Fortaleza Esporte Clube
NOTÍCIA

Robson, do Fortaleza, diz que gramado sintético pode dificultar duelo contra o Athletico-PR

Por já ter defendido o maior rival do Furacão, o atacante do Leão já jogou muitas vezes na Arena da Baixada e sabe que diferenças que a grama sintética causa no jogo

Brenno Rebouças
16:43 | 02/07/2021
Ex-Coritiba, principal rival do Furacão, Robson já jogou bastante na Arena da Baixada (Foto: Leonardo Moreira/Fortaleza EC)
Ex-Coritiba, principal rival do Furacão, Robson já jogou bastante na Arena da Baixada (Foto: Leonardo Moreira/Fortaleza EC)

O gramado sintético da Arena da Baixada costuma preocupar os adversários do Athletico-PR. Até mesmo jogadores que já atuaram muitas vezes naquela grama ficam receosos em jogar por lá novamente. É o caso do atacante Robson, do Fortaleza, que enfrenta o Furacão fora de casa neste sábado, 3, pela Série A do Brasileiro.

Tendo atuado nos últimas duas temporadas pelo Coritiba, maior rival do Athletico-PR, o camisa 7 do Leão sabe bem o que é jogar em domínios rubro-negros. "Sabemos que vai ser um jogo difícil pela qualidade que tem o Athletico-PR, pela dificuldade também que a gente vai encontrar um pouco no gramado, mas cabe a nós saber lidar com isso e fazer de tudo para sair com a vitória", disse, em coletiva.

+Próximo adversário do Fortaleza, Athletico-PR não perde em casa na Série A há nove jogos

Robson explica que o gramado sintético acelera a partida, mas crê que pela intensidade de jogo, o Fortaleza conseguirá se adaptar. “É um gramado diferente, o jogo vai ficar bem rápido e dinâmico. Cabe a gente assimilar o mais rápido possível e se acostumar. Creio que a gente vai fazer um bom jogo, se adaptar rápido e conseguir uma vitória, que vai ser muito bom pra gente".

O atacante disse ainda que o Fortaleza não deve esperar o Athletico-PR e cobrou que todo o grupo se doe ao máximo em campo.

No último jogo do Fortaleza como visitante, diante do Grêmio, Robson ficou marcado por desperdiçar chances claras de gol. Ele voltou a marcar contra a Chapecoense, mas mesmo assim foi questionado sobre como lida com essa oscilação. O atacante afirmou que não se abala psicologicamente quando desperdiça chances e que trabalha para corrigir os erros.

"Dentro do futebol é normal, a gente às vezes acaba errando e cabe a mim e meus companheiros nos entregar tanto nos jogos quanto em treinamentos e cada vez mais podermos estar melhorando, aperfeiçoando. Isso não pode ser uma coisa que me abale ou abale quem esteja do meu lado. Faz parte do futebol, mas claro que quero sempre estar fazendo gols e ajudando e cabe a mim procurar melhorar cada vez mais", concluiu.