PUBLICIDADE
Cearenses
NOTÍCIA

Presidente do Ferroviário diz não ter sido consultado sobre saída de Vilar do clube

Segundo Newton Filho, as demissões de Marcelo Vilar e do executivo de futebol Jurandi Junior partiram do vice-presidente de futebol

Gabriel Lopes
19:39 | 30/11/2020
Newton Filho, presidente do Ferroviário (Foto: Lenilson Santos / Ferroviário Atlético Clube)
Newton Filho, presidente do Ferroviário (Foto: Lenilson Santos / Ferroviário Atlético Clube)

Nesta segunda-feira, 30, o Ferroviário, por meio de nota, oficializou a saída do treinador Marcelo Vilar e do executivo de futebol Jurandi Junior. O restante da comissão técnica, que será comandada pelo auxiliar Totonho, permanecerá para o embate contra o Santa Cruz-PE, pela última rodada da Série C. Em conversa com o Esportes O POVO, o presidente do Tubarão, Newton Filho, disse que a decisão dos desligamentos partiu do vice-presidente de futebol do clube, Francisco Neto, e que não houve qualquer consulta à presidência na tomada de atitude.

Francisco Neto, que também é investidor no Ferroviário, quando perguntado sobre a tomada de decisão, desconversou e disse que ele, juntamente com outros aplicadores de renda, estavam deixando a agremiação. Essa debandada de recursos, segundo ele, foi motivada por divergências constantes na diretoria da agremiação.

Newton relatou que ficou sabendo das saídas de Vilar e Jurandi por meio de um grupo da diretoria no WhatsApp. Apesar disso, ele preferiu não voltar atrás na decisão tomada. O presidente do clube coral também disse que, após derrota para o Treze-PB, na 13ª rodada da Série C, os investidores do clube pediram a saída de Vilar e tiveram aval de Newton para seguir adiante com a ação.

Porém, por insistência do executivo de futebol Jurandi Junior, os investidores mudaram de ideia e Marcelo Vilar permaneceu no clube até esta segunda-feira.

Marcelo Vilar terminou sua quarta passagem pelo Ferroviário após confirmar a permanência do clube na Série C para o ano de 2021, depois de vitória por 7 a 0 sobre o lanterna do grupo A, o Imperatriz-MA. Ele disse não ter mágoas da demissão, mas fez críticas à diretoria.