PUBLICIDADE
Ceará Sporting Club
NOTÍCIA

"Chegamos num bom senso para benefício do clube", revela Fabinho sobre redução salarial

Ao Esportes O POVO, o volante alvinegro explica que jogadores consenso entre diretoria e atletas foi geral, visando até mesmo a manutenção dos empregos no clube

Gerson Barbosa
15:33 | 14/04/2020
Fabinho conversou com O POVO em entrevista exclusiva
Fabinho conversou com O POVO em entrevista exclusiva (Foto: Felipe Santos/Cearasc.com)

O Ceará chegou a acordo com seus atletas profissionais para a questão da redução de salário até o mês de maio. O clube havia dito por meio de dirigentes que os jogadores não relutaram nas conversas e entenderam a situação. Em entrevista exclusiva ao Esportes O POVO, Fabinho, volante alvinegro, confirmou a informação.

"Entendemos que é difícil para o clube, porque não tem receita. Manter os pagamentos em dia, que o Ceará sempre fez, é difícil. Sabemos da dificuldade desses meses que estamos enfrentando. Nós jogadores entendemos e conversamos com a diretoria para chegar a uma conclusão. Estamos sempre dispostos a ajudar o clube da melhor maneira possível", revelou o volante ao O POVO.

+ VEJA A SEGUNDA PARTE DA ENTREVISTA EXCLUSIVA COM FABINHO: Fabinho revela que não há mágoa dos jogadores com Enderson: "Ele foi sincero com a gente"

Outro motivo que fez com que os atletas entendessem bem a situação passa pela manutenção dos funcionários da agremiação. Fabinho explica que a diretoria conversou com os jogadores e que "todo mundo chegou num bom senso de abrir mão de alguma coisa em benefício do próprio clube, (principalmente) se ajudar os funcionários a manter os seus empregos".

Para os pagamentos referentes ao mês de abril, os atletas do Ceará receberão 75% dos vencimentos em CLT no dia 20 de abril. Dez dias depois, 75% dos direitos de imagem serão pagos em 30 de abril. Os 25% restantes das duas categorias serão incluídos nos pagamentos a partir de julho.

Em maio, o elenco vai receber 75% das férias e da CLT no dia 20, e outros 75% dos direitos de imagem serão pagos no dia 30. Além disso, os jogadores vão abrir mão de forma definitiva de 10% do salário pago na carteira de trabalho e dos direitos de imagem. Assim, os 15% restantes também entrarão na conta a partir de julho.

CONFIRA OUTROS TRECHOS DA ENTREVISTA DE FABINHO PARA O ESPORTES O POVO:

Fabinho sobre disputa por posição: "É algo muito natural dentro de um clube, ainda mais para um time que disputa a Série A como o Ceará. Claro que todos os jogadores têm qualidades para iniciar uma partida. As vezes pode não estar começando pro uma escolha de estratégia de jogo. Na minha posição de volante todos os jogadores são concorrentes um do outro para poder ajudar o Ceará a conseguir os objetivos, que é sempre a vitória. É uma disputa muito sadia, muito correta, não pensando no individualismo do jogador, mas sim em prol do Ceará. Ninguém tem cadeira cativa, temos que trabalhar sempre".

Fabinho sobre oscilações de performance no início da temporada: "Faz parte. Todos os clubes têm partidas de oscilações, mas só é superado com comprometimento, determinação e foco no trabalho do dia a dia. Fico feliz de poder contribuir de alguma forma. Cada jogador tem sua parcela de contribuição, seu estilo de jogo, característica. Nos momentos que fui exigido, acredito que fui muito bem. É um estilo de jogo de muita marcação, velocidade, consigo chegar na frente pra ajudar o ataque e ao mesmo tempo voltar pra recompor a defesa. Fico feliz em ajudar e vou continuar dando minha vida dentro de campo pra ajudar o Ceará".

Fabinho sobre temporada de 2019 no Ceará e continuidade em 2020: "Em 2019 o meu ano ele superou as expectativas. Foi excelente, em termos individuais, de números. Isso você atinge com sequência, porque quanto mais jogos você atua, melhor os números ficam. Tive uma sequência boa, em jogos decisivos, tive uma boa regularidade no ano e me ajudou bastante. No início de ano todos os treinadores procuram rodar os jogadores, como aconteceu no ano passado com o Lisca. É o início de temporada que precisa mexer os jogadores, porque são jogos a cada três dias, então o risco de lesão é maior. Claro que chegaram novos atletas na posição e com isso aumenta a competitividade, mas quanto mais sequências o jogador tem, mais fácil fica de desempenhar seu trabalho".