PUBLICIDADE
Futebol
NOTÍCIA

Médica cearense critica Copa América no Brasil: "Total insanidade"

Fátima Landim faz parte do Coletivo Rebento/Médicos em Defesa da Vida, da Ciência e do SUS - grupo que debate o cenário da pandemia de Covid-19 no País

Victor Hugo Pinheiro
14:57 | 31/05/2021
Brasil é o atual campeão da Copa América (Foto: Fernando Frazão/Agência Brasil)
Brasil é o atual campeão da Copa América (Foto: Fernando Frazão/Agência Brasil)

A Conmebol confirmou que a Copa América será sediada no Brasil, após desistência da Argentina por conta do aumento de casos da Covid-19. O anúncio teve repercussão negativa entre profissionais da saúde, que demonstram opinião contrária sobre a realização do torneio em meio ao cenário atual da pandemia País. A médica cearense Fátima Landim criticou a decisão e alertou para os riscos.

"Estamos na iminência de entrar em uma terceira onda. No Brasil, já foi visto variantes perigosas, já estão evidenciadas. Em uma situação de calamidade como essa, a vinda de turistas para participar de um torneio de futebol é uma total insanidade".

Fátima Landim faz parte do Coletivo Rebento/Médicos em Defesa da Vida, da Ciência e do SUS - grupo formado por profissionais da saúde cearenses que se reúne frequentemente para discutir questões sobre a pandemia. A médica fez um apelo para que órgãos competentes tentem impedir a realização da Copa América no Brasil.

"Acreditamos que é necessário que algum órgão competente entre na Justiça contra essa medida. O ideal é que o Conselho Federal de Medicina entre na justiça urgente. Mas, caso não faça isso, o Consórcio de governadores ou a própria CPI da Covid precisa intervir e impedir que aconteça esse crime contra a saúde pública".

A Conmebol ainda não divulgou detalhes sobre a logística, como datas e sedes das partidas. Além disso, ainda existe definição sobre a presença de público nos estádios, o que não é permitido nas praças esportivas brasileiras desde o surgimento dos casos de Covid-19, em março do ano passado. O País acumula 461.142 óbitos e 16.471.009 casos, de acordo com dados do consórcio de veículos de imprensa com informações das secretarias de Saúde.