PUBLICIDADE
Futebol
NOTÍCIA

Presidentes de Ceará e Fortaleza se reúnem com bancada cearense na Câmara pela Lei do Mandante

O objetivo é ganhar o apoio dos parlamentares em busca da aprovação da Medida Provisória (MP) 984

Lucas Mota
15:57 | 22/09/2020
Dirigentes Marcelo Paz e Robinson de Castro estão unidos em busca da aprovação da "Lei do Mandante" (Foto: Divulgação/Cearásc.com)
Dirigentes Marcelo Paz e Robinson de Castro estão unidos em busca da aprovação da "Lei do Mandante" (Foto: Divulgação/Cearásc.com)

Os presidentes de Ceará e Fortaleza, Robinson de Castro e Marcelo Paz, se reuniram na segunda-feira, 21, com os deputados federais da bancada cearense para falar sobre a "Lei do Mandante". O objetivo é ganhar o apoio dos parlamentares em busca da aprovação da Medida Provisória (MP) 984, que pode perder a validade em menos de 30 dias caso não seja votada no Congresso.

Participaram na reunião com os dirigentes do Alvinegro e do Tricolor os seguintes deputados federais: Danilo Forte (PSDB-CE), Deuzinho Filho (Republicanos-CE), Eduardo Bismarck (PDT-CE), Heitor Freire (PSL-CE) e Idilvan Alencar (PDT-CE). Nesta terça-feira, 22, o líder da oposição da Câmara dos Deputados, André Figueiredo (PDT-CE), também organizou reunião com outras lideranças contrárias ao Governo Federal sobre o assunto.

"A gente se reuniu com a bancada federal para esclarecer o impacto da Lei do Mandante para os clubes de futebol e nossos clubes locais. Foi uma conversa muito positiva", afirmou Robinson de Castro ao Esportes O POVO.

Os dois principais clubes do Estado estão entre as 45 equipes brasileiras do movimento "Futebol + Livre", que apoia a mudança sobre os direitos de transmissão. A reunião entre dirigentes e deputados federais foi repetida em outros Estados com o mesmo objetivo.

O intuito final é a pauta ganhar força na Câmara, e os deputados pressionarem o presidente da Casa, Rodrigo Maia (DEM-RJ), para que ele coloque a Medida em votação antes que perca a validade.

Com a MP 984, editada pelo presidente Jair Bolsonaro em junho, os clubes mandantes têm o total direito de transmissão sobre os seus jogos. Até o surgimento da Medida, o direito de uma partida pertencia as duas equipes envolvidas: mandante e visitante. Portanto, a emissora detentora de uma competição precisa necessariamente ter contrato com os dois clubes de cada jogo.

Além de Ceará e Fortaleza, o movimento "Futebol + Livre" tem clubes como Flamengo, Palmeiras, Athletico-PR, Santos, Vasco e Bahia.

Em entrevistas exclusivas recentes para o Esportes O POVO, os presidentes de Ceará, Fortaleza e Bahia (Guilherme Bellintani) defenderam a "Lei do Mandante" e explicaram os motivos para apoiá-la.

Entre os principais argumentos, estão a possibilidade de aumento das receitas dos clubes e do surgimento de novos players no mercado de transmissão. "A cota anual do Fortaleza, com diversas variáveis, pode chegar a R$ 40 milhões. Acredito em um incremento de pelo menos 50%, chegando a R$ 60 milhões. Não é de imediato. Há contratos vigentes que não serão mudados, mas em uma negociação futura com a lei em vigor (podemos chegar a este valor)", comentou Marcelo Paz.

Confira nos links abaixo as entrevistas com os presidentes de Ceará, Fortaleza e Bahia:

+ A favor da Lei do Mandante, Ceará estuda transmitir jogos do Estadual em plataforma própria

+ Marcelo Paz detalha por que Fortaleza é a favor da Lei do Mandante, MP 984

+ Guilherme Bellintani: "O futebol tem que respeitar a diversidade de pensamento"