PUBLICIDADE
Futebol
NOTÍCIA

Relembre dez estrangeiros que fracassaram no Ceará ou no Fortaleza

Depois de listar os artilheiros das últimas cinco temporadas de Ceará e Fortaleza, o Esportes O POVO resgata os estrangeiros que fracassaram com as camisas do Alvinegro e do Tricolor

Lucas Mota
17:46 | 20/04/2020
Lembra dele? Argentino Germán Pacheco teve passagem relâmpago pelo Fortaleza em 2018
Lembra dele? Argentino Germán Pacheco teve passagem relâmpago pelo Fortaleza em 2018 (Foto: Mateus Dantas)

Com a paralisação no futebol, jogos históricos, ídolos e curiosidades têm sido relembrados com frequência. Depois de listar os artilheiros das últimas cinco temporadas de Ceará e Fortaleza, o Esportes O POVO resgata os estrangeiros que fracassaram com as camisas do Alvinegro e do Tricolor.

Abaixo você relembra cinco jogadores de cada lado com passagens de pouco brilho em campo:

CEARÁ

Reina
Colombiano contratado com destaque em 2018, o meio-campista vestiu a camisa 10 do Ceará para comandar a troca de passes e deixar atacantes em condições de marcar. Naquela temporada, o jogador recebia a terceira oportunidade com a camisa alvinegra, e havia boas expectativas sobre o seu rendimento. Entretanto, em campo, o que se viu foram desempenhos apagados e pouco convincentes. O atleta ainda se envolveu em confusão com torcedores, piorando o ambiente dentro clube. Encerrou o ano com 15 partidas e nenhum gol.

Atualmente no Independiente Medellín-COL (12 jogos e cinco gols)

Cardona
Assim como Reina, o colombiano Jown Cardona fez parte do elenco do Ceará em 2018. O jogador chegou no meio da temporada para ajudar a equipe na Série A. O início do meia-atacante até animou, mas passou a ganhar poucas oportunidades do técnico Lisca de forma repentina. O atleta terminou a temporada com apenas sete jogos, passando em branco.

Atualmente no Club León-MEX (nove jogos).

Maxi Biancucchi
Depois de passagens por Flamengo e pela dupla Ba-Vi, Maxi Biancucchi chegou ao Ceará como uma das principais contratações do Ceará em 2017. Com contrato até o fim daquele ano, o jogador deixou o clube em maio após fracas exibições. Sem conseguir se firmar como titular, o argentino primo de Lionel Messi fez oito partidas e marcou apenas um gol.

Maxi se aposentou no futebol e seu último clube foi o Rubio Ñú-PAR, em 2017, após sair do Vovô.

Emanuel Biancucchi
Primo de Messi e irmão de Maxi Biancucchi, Emanuel foi contratado pelo Ceará em 2016 após passagens por Bahia e Vasco no futebol brasileiro. Vestindo a camisa do time do Porangabuçu, o argentino foi mal. Oito jogos depois, sem marcar nenhum gol, acabou dispensado pelo Alvinegro.

Atualmente no Vila Nova (quatro jogos).

Ángel Salazar
A altura e o vigor físico até chamaram a atenção quando o Ángel Salazar foi contratado pelo Ceará, em 2016, aos 21 anos. O colombiano chegou ao Alvinegro após passagem pelo sub-23 do Coritiba. No Vovô, ele fez apenas uma partida e foi dispensado pelo clube sem deixar saudades na torcida.

Atualmente no Rio Branco-PR (11 jogos e um gol).

FORTALEZA

Santiago Romero
Último estrangeiro com passagem sem sucesso no Fortaleza, Santiago Romero chegou ao Tricolor junto com Juan Quintero, em 2019. Diferente do colombiano, o uruguaio, que havia disputado Libertadores, não emplacou no Pici. O atleta fez apenas cinco partidas, sendo utilizado no elenco "B" para disputar a Taça Fares Lopes.

Atualmente sem clube.

Germán Pacheco
A troca de passes rápida e o chute de fora da área eram as principais referências de Germán Pacheco. Após temporadas de destaque no futebol peruano, o argentino acertou com o Leão em 2018. Entretanto, o atleta argentino ganhou poucas chances do técnico Rogério Ceni e saiu do clube ainda no início da temporada com apenas dois jogos.

Atuamente no Alianza Huánuco (dois jogos).

Gastón Filgueira
Após três temporadas no Náutico, Gastón Filgueira acertou com o Fortaleza em 2017. Com 13 jogos e um gol pelo Tricolor, o lateral-esquerdo uruguaio não conseguiu se firmar como titular e deixou o clube nas vésperas da Série C.

Atualmente no CA Cerro-URU (não estreou).

Gustavo Savóia
Em 2012, o argentino Gustavo Savóia vestiu a camisa tricolor. Aos 30 anos, o experiente centroavante já havia defendido no Brasil a Ponte Preta e o XV de Piracicaba, este o último clube antes de acertar com o Leão. A passagem dele no Pici se resumiu a menos do que 20 minutos em campo. Não completou nenhum um mês na equipe e deixou o clube.

Savóia se aposentou em 2014.

Darío Gigena
Contratado em 2007, o argentino chegou ao Pici com a missão de comandar o ataque tricolor. Depois de fazer sucesso na Ponte Preta no futebol brasileiro, havia a expectativa de que poderia repetir o bom futebol no Fortaleza. Entretanto, antes de estrear, Darío Gigena deixou o Leão e acertou com o Guaros de Lara-VEN.

Atualmente aposentado.