PUBLICIDADE
Futebol
NOTÍCIA

Fifa discute novas datas para Eurocopa, Copa América e Mundial de Clubes nesta quarta-feira

Entidade que comanda o futebol mundial marcou videoconferência para colocar ordem nas principais competições esportivas do planeta.

Bruno Balacó
15:59 | 17/03/2020
Presidente da Fifa, Gianni Infantino, comandará a reunião nesta quarta-feira
Presidente da Fifa, Gianni Infantino, comandará a reunião nesta quarta-feira (Foto: AFP)

O calendário do futebol mundial está sob reavaliação de datas em virtude do avanço pandemia do coronavírus. Os impactos, que já podem ser sentidos com as paralisações de todas as ligas locais e nacionais de clubes ao redor do planeta, chegou agora também nos dois principais torneios continentais de seleções, a Eurocopa e a Copa América, que não serão mais realizadas em 2020. O pedido das entidades organizadoras – Uefa e Conmebol - é de reagendamento das competições para 2021.

Em face desse cenário, a Fifa decidiu remarcar também a disputa do novo Mundial de Clubes, que estava previsto para meados de 2021, na China. Há possibilidade de realização ainda em 2021 ou transferência para 2022 ou 2023. A remarcação de datas, assim como as deliberações sobre a Eurocopa e a Copa América, estão na pauta central da reunião do Conselho da Fifa, que ocorre nesta quarta-feira, 21, através de videoconferência.

Segundo nota divulgada pelo presidente Fifa, Gianni Infantino, outros temas estarão em debate, como a discussão com as autoridades chinesas sobre o impacto da suspensão do Mundial de Clubes de 2021, além do estudo do impacto das atuais mudanças no calendário das confederações.

Sobre a Eurocopa, a sugestão da Uefa é de remarcar a competição entre 11 de junho e 11 de julho de 2021, de forma a abrir espaço no atual calendário para a conclusão das ligas nacionais e ouros torneios internacionais. A ideia da Conmebol é também casar o calendário da Copa América com a Euro.

AJUDA FINANCEIRA
Na nota divulgada, o presidente da Fifa também anunciou que irá propor medidas proativas de solidariedade que visam especificamente o avanço do coronavírus, com a adoção de 10 milhões de dólares para o Fundo de Resposta de Solidariedade da Organização Mundial da Saúde WHO COVID-19.
Também estará em pauta a discussão da possibilidade de estabelecer um Fundo Global de Assistência ao Futebol para ajudar os membros da comunidade de futebol afetados por esta crise.