PUBLICIDADE
Futebol
NOTÍCIA

Por uma cesta, Basquete Cearense bate Paulistano e vence a segunda no NBB

Após deixar escapar a vitória em uma série de partidas teoricamente mais fáceis, o Carcará conseguiu fazer frente fora de casa ao então sexto colocado na tabela

22:56 | 22/11/2019
FORTALEZA, CE, BRASIL, 24-02-2016: Carcará, mascote do Solar Basquete Cearense. Jogo Solar/Basquete Cearense x Rio Claro, válido pelo Novo Basquete Brasil (NBB), no ginásio Paulo Sarasate. (Foto: Tatiana Fortes/O POVO)
FORTALEZA, CE, BRASIL, 24-02-2016: Carcará, mascote do Solar Basquete Cearense. Jogo Solar/Basquete Cearense x Rio Claro, válido pelo Novo Basquete Brasil (NBB), no ginásio Paulo Sarasate. (Foto: Tatiana Fortes/O POVO) (Foto: TATIANA FORTES)

Foi apertado, com emoção até o último segundo e sem o craque da equipe. Mas o Basquete Cearense, enfim, venceu a segunda no NBB 2019/2020. Abrindo uma série de cinco jogos em São Paulo, o Carcará superou o Paulistano por 78 a 76 e quebrou a sequência de seis derrotas consecutivas na principal divisão do esporte no Brasil.

Após deixar escapar a vitória em uma série de partidas teoricamente mais fáceis, o Carcará conseguiu fazer frente fora de casa ao então sexto colocado na tabela. E tudo isso sem o ala-pivô Felipe, cestinha e reboteiro do time, que sofreu estiramento na coxa. Quem assumiu a responsabilidade de liderar a equipe cearense foi Rashaun, que fez 28 pontos e seis assistências. Além da pontuação alta, o norte-americano foi eficiente, acertando 68,3% dos arremessos que tentou.

A margem de acerto, aliás, foi o fator decisivo da partida. A mira do Carcará estava calibrada e o time acertou 50,6% dos chutes. Já o Paulistano, campeão do NBB 2017/2019 e eliminado pelo Carcará nas oitavas de final da temporada passada, converteu apenas 38,6% dos arremessos. Do lado rival, foram incríveis 40 chutes de três, com apenas 13 certos.

Apesar do final feliz, o Basquete Cearense fechou o primeiro quarto em grande desvantagem. Liderado por Dominique Coleman, com 9 pontos e 100% de acerto, o Paulistano abriu oito, fechando em 21 a 13.

A segunda parcial foi de equilíbrio, mas a reação parecia possível. A defesa encaixou e o Basquete Cearense segurou o Paulistano para apenas 15 pontos, sendo só 4 de Coleman. Como o Carcará fez 16, o primeiro tempo terminou em 36 a 29.

A virada era possível. E veio já no terceiro quarto. Só nesta parcial, Rashaun fez cinco arremessos e acertou quatro — 2 de 2 em pontos triplos. Além disso, converteu os dois lances livres que teve e, sozinho, fez 12 pontos. O Paulistano fechou com 17. Ao todo, o tempo foi 28 a 17 para o Carcará, que entrou no quarto final com vantagem de 57 a 53.

Restava segurar os nervos — e o placar. E não faltou emoção. Com direito a seis viradas, o Carcará perdia por um ponto a 1min20seg do fim, quando Cauê acertou bola de três. Yago empatou em dois lances livres e Marcão foi decisivo. Ele fez a cesta, sofreu falta, acertou o lance livre de bonificação e a vitória parecia confirmada.

Foi quando Yago surgiu de novo, com bola de três para igualar o placar em 76 a 21 segundos do fim. Tempo suficiente para Rashaun ser o herói da partida, acertando arremesso de dois e sacramentando a vitória.

Foi o segundo triunfo do Basquete Cearense em oito jogos. Apesar do resultado, o Carcará segue na 15ª colocação — vice-lanterna. Na próxima rodada, no domingo, às 19 horas (de Fortaleza), o time enfrenta o Corinthians-SP, no Ginásio Wlamir Marques, em São Paulo.