PUBLICIDADE
NOTÍCIA

BBB20: Pyong Lee diz que vai processar internautas por mensagens de ódio na internet

Ex-participante afirma que contratou sete advogados para avaliar mensagens de ódio; "O prêmio do BBB só em processos", disse em rede social

09:06 | 17/04/2020
Pyong e Prior tiveram uma longa discussão durante a madrugada dessa quarta-feira, 26
Pyong e Prior tiveram uma longa discussão durante a madrugada dessa quarta-feira, 26 (Foto: Reprodução/Notícias da TV)

O ex-particpante do BBB20, Pyong Lee, usou o Twitter na última quinta-feira, 16, para alertar seguidores e fãs sobre mensagens de ódio disparadas para ele e seu filho, Jake Lee, nas redes sociais. O youtuber afirmou que irá processar internautas que fizeram publicações preconceituosas e que já contratou sete advogados para cuidar do assunto.

LEIA TAMBÉM | Com um mês de vida, Jake tem mais seguidores que outros quatro ex-bbbs juntos

"Contratei sete advogados para processar todos os criminosos da internet que acham que podem ficar impunes [...] O prêmio do BBB só em processos", disse o mágico, que solicitou que seguidores enviassem mensagens de ódio direcionadas a ele para avaliar as mensagens. Segundo Pyong, mais de 500 mensagens já foram organizadas pela equipe.

Nos tweets seguidos, o ex-participante chegou a comentar algumas mensagens postadas pelos seguidores. Quando questionado pela quantidade de advogados, Lee justificou. "A quantidade de processos é bizarra. Precisa de bastante gente."

Em comunicado na mesma rede social, Pyong se posicionou sobre as acusações de assédio que recebeu enquanto estava no reality. "O que se passou dentro do BBB, naquele clima festivo do confinamento, sem qualquer maldade ou beligerância, já foi esclarecido, como público e notório, por mim e pelos envolvidos".

LEIA TAMBÉM | Pyong Lee sobre acusações de assédio no reality: "Estou com a consciência tranquila"

No mesmo post, trouxe algumas das denúncias recebidas na rede social e elencou que continuará a fazê-las. "Não gostaria que fosse assim, mas é meu dever social como cidadão lutar contra a violação dos meus direitos", avaliou.