PUBLICIDADE
NOTÍCIA

Tirulipa, Faro e até Bolsonaro: famosos entram na 'onda Caneta Azul'; conheça o hit

Música contando a história do homem que perdeu a sua caneta viralizou

17:55 | 27/10/2019
Música contando a história do homem que perdeu a sua caneta viraliza
Música contando a história do homem que perdeu a sua caneta viraliza (Foto: Reprodução)

A caneta amarela é até citada na música - apenas de passagem, logo é esquecida. A tonalidade favorita de Van Gogh não goza do mesmo prestígio com o maranhense Manoel Gomes, cujo coração pertence ao azul. Entretanto, este relacionamento monocolor foi manchado pelo cinza da saudade quando a amada caneta azul se esvaiu das mãos do estudante.

De coração partido e tomado pela saudade da caneta escanteada pelo Enem - que aceita unicamente a preta em suas provas - o autor compôs esta música, que na verdade é um apelo suplicando pelo retorno de sua amada. Inspirado por esta dor, ele conseguiu superar o obstáculo de ter uma paleta de cores reduzida e tingiu e atingiu o sucesso, com um hit que viralizou em todo Brasil.

"Caneta azul, azul caneta", inicia assim a ode ao objeto de cor mais quente que está marcado "na suas letra". Logo após, ele relembra a época em que ia ao colégio munido de sua inseparável companheira. A rotina foi interrompida quando Manoel a perdeu, como ele mesmo narra. “Eu peço, por favor, quem encontrou, me entrega ela”, suplica.

E a famigerada caneta azul estourou - sem manchar de tinta o bolso de ninguém - em todo Brasil. Um dos vídeos da canção, postado no dia 18 de outubro, já soma quase 1,5 milhões de visualizações no Youtube. Além disso, o sucesso fez o maranhense ser convidado pelo Cantor Thiago Brava ir até Palmas, no Tocantins, para cantar o seu hit na frente milhares de pessoas. Assista o vídeo original e o concerto do cantor:

Memes e famosos

A letra cômica e o jeito peculiar de Manoel cantar e contar a sua história foram um prato cheio para os internautas, que não pouparam a tinta da caneca na hora de criar memes. E o povo foi unânime no tocante a “chicleticidade” da obra, ninguém consegue tirar o hit da cabeça.

 

Do Correio 24 horas