PUBLICIDADE
Coronavírus
Noticia

Por falta de doses, nove capitais suspendem aplicação de D1; Fortaleza mantém vacinação

Na Capital cearense, oferta de imunizantes segue dentro da normalidade nos 113 pontos de vacinação

21:34 | 26/07/2021
Capital cearense segue com oferta regular de vacinas contra a Covid-19 (Foto: Fernanda Barros)
Capital cearense segue com oferta regular de vacinas contra a Covid-19 (Foto: Fernanda Barros)

Por falta de imunizantes, pelo menos nove capitais brasileiras suspenderam a aplicação da primeira dose da vacina contra a Covid-19, segundo levantamento da Folha de S.Paulo. A interrupção ocorre em Vitória, Salvador, João Pessoa, Maceió, Natal, Belém, Florianópolis, Rio de Janeiro e Campo Grande. Em Fortaleza, a vacinação de D1 (dose 1) e D2 (dose 2) segue normalmente. Nesta terça-feira, 27, cerca de 30 mil pessoas estão agendadas para receber o antígeno na Capital cearense. A lista com os nomes já está disponível na plataforma “Vacine Já”, gerenciada pela Secretaria Municipal de Saúde (SMS). A relação inclui pouco mais de 18 mil pessoas agendadas para receber D1 e cerca de 12 mil para D2.

O POVO perguntou à Prefeitura de Fortaleza se o estoque atual de vacinas é suficiente para manter a imunização pelos próximos dias. Sem responder ao questionamento, a gestão informou que “em breve” irá divulgar mais detalhes sobre o andamento da campanha de vacinação. No começo deste mês, a cidade chegou a suspender o agendamento para primeira dose devido ao esgotamento de vacinas. O serviço foi normalizado em menos de 24 horas, após o Município receber novos lotes dos imunizantes.

Em transmissão ao vivo nas redes sociais nesta segunda-feira, 26, a secretária de Saúde de Fortaleza, Ana Estela Leite, ressaltou que as vacinas contra a Covid-19 seguem sendo ofertadas de forma regular nos 113 pontos de vacinação montados na Capital. “Estamos avançando bastante e traçando mais estratégias para facilitar a busca [da vacina] pela população", frisou a titular da SMS. A secretária lembrou, no entanto, que o ritmo da vacinação está condicionado à disponibilidade de doses enviadas pelo Programa Nacional de Imunização (PNI).

Dentre as capitais que suspenderam a aplicação de D1, o Rio de Janeiro é a que está há mais tempo sem administrar novas doses. A interrupção começou ainda no último sábado, 24, e deve se estender até quarta-feira, 28, segundo informou o secretário de saúde do Município, Daniel Soranz.

Nas redes sociais, o governador de São Paulo, João Dória (PSDB), culpou o Ministério da Saúde pelo atraso no andamento da campanha de vacinação. “Ministério da Saúde tem 16 milhões de vacinas paradas em estoque e centenas de brasileiros morrendo diariamente por falta de vacinas. Vergonhosa essa falta de gestão e senso de urgência”, criticou o governador em publicação feita no twitter. Na capital paulista, a vacinação de pessoas com 28 anos, que havia sido anunciada para esta semana, foi adiada por insuficiência de vacinas.

Ao sair de uma reunião com o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) nesta segunda-feira, 26, Queiroga rebateu a fala do governador. “Não há estoque de vacina. O que há é que, quando as vacinas chegam no aeroporto, elas precisam ser avaliadas pela chancela da Anvisa [Agência Nacional de Vigilância Sanitária]. Segundo, precisa passar pelo controle do INCQS [Instituto Nacional de Controle de Qualidade em Saúde]. Também tem a questão da Receita Federal”, justificou o Ministro em conversa com a imprensa no Palácio do Planalto.

Para Queiroga, o atraso na vacinação resulta de estratégias equivocadas adotadas por estados e municípios, que, segundo ele, não estão seguindo os critérios de prioridades definidos pelo PNI. "É necessário que as determinações pactuadas no âmbito do PNI com a participação dos entes subnacionais, estados e municípios, sejam mantidas na ponta. Não é correto que os municípios fiquem alternando o que foi tratado na tripartite. Senão, você cria uma verdadeira confusão. Não contribui para que a população brasileira tenha a sua imunização”, completou.

Vacinômetro Fortaleza

Dados da plataforma Vacinômetro atualizados pela SMS nesta segunda mostram que 1.393.346 pessoas já foram vacinadas com pelo menos uma dose da vacina contra a Covid-19 na Capital. Já o número de vacinados com a segunda dose chega a 472.823. Outras 26.546 pessoas receberam a vacina de dose única (Janssen), que garante proteção sem a necessidade de aplicação de reforço.

Atualmente a cidade oferece vacinação para pessoas nascidas a partir de 1994, seguindo os agendamentos disponíveis no site da Prefeitura.