PUBLICIDADE
Coronavírus
NOTÍCIA

"É uma vacina para 2022", afirma reitor da Uece sobre imunizante cearense

A vacina é desenvolvida a partir da adaptação de um imunizante contra o coronavírus aviário

Júlia Duarte
12:29 | 19/07/2021
 Laboratório de Biotecnologia e Biologia Molecular da Uece, que produz imunizante contra o coronavírus (Foto: Thais Mesquita)
Laboratório de Biotecnologia e Biologia Molecular da Uece, que produz imunizante contra o coronavírus (Foto: Thais Mesquita)

O imunizante contra Covid-19 desenvolvido pela Universidade Estadual do Ceará (Uece) tem previsão de ficar pronto em 2022. A informação é do reitor da Universidade, professor Hidelbrando Soares, em entrevista à Rádio O POVO CBN nesta segunda-feira, 19. Segundo ele, a HH120 Defenser (nome da vacina cearense) encontra-se em fase de pré-submissão para o início dos testes em humanos e deve apresentar em breve os documentos solicitados pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) para dar continuidade ao desenvolvimento da vacina.

Os pesquisadores cearenses estão em diálogo com a Fiocruz para formalizar uma parceria no processo de pesquisa do imunizante cearense. Assim que os resultados e documentos da fase pré-clínica forem entregues e aprovados pela Anvisa, o processo deve engrenar mais rápido, de acordo com o reitor. Isso porque o imunizante da Uece trabalha a partir da adaptação de uma vacina contra o coronavírus aviário (IBV) atenuado, que é manuseado há décadas na avicultura e não causa infecção em seres humanos.

LEIA MAIS| Vacina da Uece: pesquisadores aguardam verba para continuar estudo e iniciar testes

"Se a gente correr bem, com todo o apoio financeiro necessário, com esse aporte também de apoio tecnológico e cientifico... é uma vacina para 2022", afirma o professor Hidelbrando Soares. Além de apresentar resultados satisfatórios nesta fase pré-clínica, a Uece deve ainda comprovar a capacidade de produção industrial, pelo menos, para as fases futuras. 

Na fase seguinte, a clínica, os trabalhos devem demorar, pois será preciso ampliar a escala de estudos. Neste momento, haverá o acompanhamento dos pacientes que participarão dos testes para se obter os resultados da vacinação. A estimativa é de que entre 3 a 6 mil pessoas sejam chamadas para os testes, categorizadas por idade e quadros clínicos, quando autorizada. 

LEIA MAIS: Uece discute viabilidade da Fiocruz de assumir a produção industrial da vacina cearense

"Ninguém faz pesquisa e principalmente pesquisa nessa complexidade sem recursos de investimentos forte", ressaltou o reitor. Segundo ele, a Universidade recebeu  R$ 700 mil do Governo Estadual para manter as condições básicas e a continuidade das atuações, mas a produção não deve ser ainda mais cara, com estimativas na casa dos milhões. Além dos recursos estaduais, a Uece estuda o apoio de verbas federais. 

A HH120 Defenser tem o diferencial de ser aplicada por meio de gostas via intranasal, diferente das vacinas já aplicadas no Brasil e no mundo, por meio de injeção intramuscular no braço. Além disso, a vacina da Uece não precisa de temperaturas muito baixas para ser armazenada, um benefício para regiões com geladeiras regulares nos postos de saúde. 

Confira as etapas dos estudos clínicos da vacina

Fase 1
Voluntários sadios (100 adultos) - entre 18 e 60 anos.
Nesta etapa, serão realizados testes com pessoas sem comorbidades

Fase 2
Voluntários (100 - 1.000 adultos)
Nesta etapa, será a vez de pessoas acima de 60 anos, com comorbidades

Fase 3
Milhares de voluntários (30 mil a 60 mil), de preferência de outros estados do País, com perfis diversificados. É realizada comparação entre grupo imunizado e grupo controle.

Fase 4
Após a aprovação da Anvisa e vacinação em massa com o imunizante, há monitoramento da produção, sistema de notificação de eventos adversos e avaliação da segurança real e efetividade da vacina.