PUBLICIDADE
Coronavírus
NOTÍCIA

Nicolelis afirma grande chance do Brasil entrar em colapso e defende lockdown de 21 dias

O neurocientista aponta que "efeitos sincronizadores" são a causa do colapso do sistema de saúde em vários estados, entre eles as festas de fim de ano, eleições e o Carnaval

Mirla Nobre
16:46 | 26/02/2021
O neurocientista avalia que o país precisa de um lockdown nacional, com o apoio de uma campanha de comunicação para ter colaboração da população (Foto: José Luiz Somensi/Fronteira de Pensamentos)
O neurocientista avalia que o país precisa de um lockdown nacional, com o apoio de uma campanha de comunicação para ter colaboração da população (Foto: José Luiz Somensi/Fronteira de Pensamentos)

O neurocientista Miguel Nicolelis defendeu a necessidade de um lockdown nacional imediato, de 21 dias, em virtude da grave situação epidemiológica da Covid-19 no Brasil. O médico também afirmou ver uma grande chance de um “colapso nacional”. Em entrevista ao Jornal O Globo, Nicolelis disse que “a população precisa acordar para a dimensão da tragédia”. O cientista alertou as autoridades e orientou as medidas a serem tomadas, em especial a um necessário lockdown, desde dezembro do ano passado.

Nessa quinta-feira, 25, o Brasil registrou recorde de novas mortes causadas pelo novo coronavírus nas últimas 24 horas, chegando a 1.582 vidas perdidas. O neurocientista aponta que “efeitos sincronizadores” são a causa do colapso do sistema de saúde em vários estados, entre eles as festas de fim de ano, as eleições e o Carnaval. A situação se difere da primeira onda da doença no país, já que não ocorreram eventos similares na época.

Leia Também | Após defender novo lockdown e ser ignorado, Nicolelis deixa comitê científico do Nordeste

“Agora, tudo está explodindo ao mesmo tempo. Isso significa que não não tem medicação, não tem como intubar, não vai dar para transferir de uma cidade para outra, não vai ter como transferir para lugar nenhum. A consequência do colapso de saúde é o colapso funerário. Cientistas não olham só o presente, mas olham o futuro, enquanto o político está pensando no hoje, em como resistir à pressão do setor X para não fechar, a despeito das mortes”, argumenta Nicolelis.

Ainda segundo o médico, ele destaca que o colapso não vai ocorrer em todas as regiões, mas em boa parte das capitais. “Não é que todo canto vá colapsar, mas boa parte das capitais pode colapsar ao mesmo tempo, nunca estivemos perto disso. Se eliminar o genocídio indígena e a escravidão, é a maior tragédia do Brasil”, comenta.

“Eu tenho me perguntado muito: qual é o valor da vida no Brasil? Que valor os políticos dão para a vida do cidadão se não fecham as atividades num lugar com 100% de ocupação dos leitos? O que mais me assusta é o pouco valor à vida. Porque, quando alguém vai a uma festa clandestina de fim de ano, de carnaval, se aglomera numa balada ou à beira do campo de futebol, não compromete só sua saúde, mas a vida dos seus familiares, seus vizinhos e das pessoas que nem conhece. Nossa sociedade em algum momento perdeu a conexão com o quão irreparável é a vida”, disse o médico ao O Globo.

Nicolelis ainda destaca acerca da vacinação do país e aponta que a população não esperava que o Brasil fosse ter um desempenho tão baixo na campanha de imunização contra a Covid-19. “Poderíamos estar vacinando 10 milhões, mais do que qualquer país. É como uma tragédia grega, mas é brasileira, que alguém vai contar um dia. Porque ela é épica, como a derrota dos troianos”, disse.

Leia Também |  Covid-19: Nicolelis sugere novo lockdown para "evitar 2ª leva de mais de 300 mil mortes em 2021"

Entre as medidas para conter o colapso da doença no País, o neurocientista avalia que é necessário um lockdown nacional, com o apoio de uma campanha de comunicação para ter colaboração da população porque, segundo ele, medidas de restrição de horário não têm efeito. 

Ainda há tempo de reverter o quadro, “mas tem que mudar tudo”, afirma Nicolelis, que está propondo a criação de uma comissão de salvação nacional, sem participação do Ministério da Saúde, organizado por governadores para resolver a questão logística.