PUBLICIDADE
Coronavírus
NOTÍCIA

Fisiculturista de 40 anos morre vítima de Covid-19 no Paraná

"Foi uma surpresa, já que não bebia, não fumava e seguia uma alimentação de atleta", relatou o irmão da vítima

08:07 | 15/12/2020
O fisiculturista era campeão de um das principais competições da categoria no país e cultivava uma vida saudável, segundo o irmão.  (Foto: Reprodução/ Instagram)
O fisiculturista era campeão de um das principais competições da categoria no país e cultivava uma vida saudável, segundo o irmão. (Foto: Reprodução/ Instagram)

O fisiculturista Roberto Gervásio, de 40 anos, morreu vítima de complicações da Covid-19, doença causada pelo coronavírus. Ele estava internado em um hospital de Curitiba, no Paraná, por três semanas e teve cerca de 75% dos pulmões comprometidos pela infecção da doença. O atleta faleceu no último sábado, 12.

Gervásio trabalhava com fisiculturismo desde os 27 anos de idade e era dono de uma academia em Curitiba. Na premiação Sardinha Classic, um dos principais campeonatos da categoria no Brasil, o paranaense tinha o título da categoria “Physique Novice”.

LEIA MAIS | Camilo diz que até 15 de janeiro chegam 15 milhões de doses da vacina contra Covid-19 no Brasil

A morte do fisiculturista surpreendeu a família por conta de seu histórico como atleta. “Não tinha comorbidade, pois sempre foi uma pessoa muito cuidadosa. Foi uma surpresa, já que não bebia, não fumava e seguia uma alimentação de atleta. Foi algo bem inesperado mesmo”, contou Kelvin Tavares, irmão de Gervásio, em entrevista ao portal de notícias UOL.

De acordo com o familiar, o fisiculturista começou a sentir os primeiros sintomas da doença após retornar de uma competição em São Paulo. O diagnóstico para a doença foi confirmado em 12 de novembro e a internação aconteceu no 11° dia com a doença.

LEIA TAMBÉM | Casos diários de Covid-19 no Brasil se aproximam do pico de julho

"Ele foi trabalhar em São Paulo e acreditamos que tenha retornado contaminado. Ele foi três vezes ao hospital antes de ser internado. Era uma ótima pessoa, bem esforçada e sorridente. O Roberto sempre seguia o protocolo, tanto que não queria visita de amigos ou parentes em casa", relatou o irmão.