PUBLICIDADE
Coronavírus
NOTÍCIA

EUA se aproxima da aprovação da vacina; Europa luta para conter segunda onda

A aprovação parece quase certa, sobretudo, depois que a revista New England Journal of Medicine validou os resultados de eficácia e segurança da vacina

10:02 | 11/12/2020

A agência reguladora dos Estados Unidos aprovará nos próximos dias uma vacina contra a covid-19, um passo adiante para conter um vírus que castiga o país, mas que tampouco cede na Europa, onde os laboratórios Sanofi e GSK anunciaram que sua vacina deve estar disponível apenas no fim de 2021.

 

Um comitê de especialistas independentes dos Estados Unidos recomendou que a Agência de Alimentos e Medicamentos (FDA, na sigla em inglês) do país aprove a vacina da aliança Pfizer/BioNTech. Na prática, isso pode significar o início da vacinação na próxima semana.

 

A aprovação parece quase certa, sobretudo, depois que a revista New England Journal of Medicine validou os resultados de eficácia e segurança da vacina.

 

Com mais de 292.000 mortes provocadas pela pandemia, os Estados Unidos não têm tempo a perder - em especial no momento em que o país registra a média diária de 3.000 vítimas fatais por Covid-19.

 

Na Europa, os laboratórios Sanofi e GSK, francês e britânico respectivamente, sofreram um duro revés. Ambos anunciaram nesta sexta-feira que sua vacina contra a Covid-19 não ficará pronta até o fim de 2021, depois de resultados abaixo do esperado nos primeiros testes clínicos.

 

O programa foi "adiado para melhorar a resposta imunológica nas pessoas mais velhas", afirmaram as empresas em um comunicado. A ideia inicial era disponibilizar a vacina no primeiro semestre de 2021, com um bilhão de doses.

 

A Austrália também decidiu abandonar o desenvolvimento de uma vacina própria contra a Covid-19, depois que os estudos clínicos produziram um falso resultado positivo para HIV entre os participantes de testes em estágio inicial.

 

A situação poderia abalar a confiança da população no fármaco, explicou o secretário do Ministério da Saúde, Brendan Murphy.

 

O resultado levou o governo a suspender os planos de comprar milhões de doses da vacina candidata e a aumentar os pedidos de alternativas da AstraZeneca e da Novax, disse o primeiro-ministro Scott Morrison.

 

Atualmente, as restrições de movimento e as medidas de higiene são o principal escudo diante do vírus. Por este motivo, as vacinas são o remédio tão desejado para deter a pandemia que matou ao menos 1,5 milhão de pessoas e infectou mais de 69 milhões desde o surgimento na China, em dezembro do ano passado, segundo um balanço da AFP com base em números oficiais.

 

O Reino Unido se tornou esta semana o primeiro país ocidental a começar a inocular a vacina da Pfizer-BioNTech. Canadá, Bahrein e Arábia Saudita também aprovaram o produto.

 

Além disso, Rússia e China iniciaram campanhas com vacinas de produção nacional que ainda não estão aprovadas de maneira definitiva.

 

Em Moscou, o laboratório britânico AstraZeneca e a Rússia anunciaram nesta sexta-feira testes clínicos conjuntos que combinam suas duas vacinas contra o coronavírus, um caminho para alcançar uma "resposta imunológica melhor".

 

Na América Latina, que registra mais de 466.000 mortes, a Argentina anunciou a assinatura de um acordo com a Rússia para a aquisição da Sputnik V, a vacina russa.

 

O presidente Alberto Fernández afirmou na quinta-feira que será o primeiro vacinado no país, "para que ninguém tenha medo".

 

 

Na Europa, os cidadãos também esperam a aprovação oficial para o início das campanhas de vacinação.

 

A Agência Europeia de Medicamentos prometeu uma decisão sobre a vacina Pfizer/BioNTech até 29 de dezembro, e sobre a candidata do laboratório Moderna, até 12 de janeiro.

 

Ao mesmo tempo, as restrições no continente não param durante a segunda onda da pandemia.

 

Muitos países mantêm as medidas, mas com algumas mudanças para o Natal, enquanto outros cogitam endurecer ainda mais as restrições.

 

A França anunciou que suspenderá a partir de terça-feira o confinamento que está em vigor desde 30 de outubro. Em contrapartida, instituirá um toque de recolher às 20h, inclusive na noite de Ano Novo.

 

O presidente Emmanuel Macron pediu aos franceses, nesta sexta-feira, que "redobrem a vigilância" durante os encontros de família no Natal. Porque "é nestes momentos, quando relaxamos (...) que propagamos o vírus", destacou.

 

Na Alemanha, elogiada por sua gestão da crise durante a primeira onda, o aumento de contágios é "preocupante", e as autoridades estão considerando novas restrições.

 

Nas últimas 24 horas, a Rússia registrou mais de 600 mortes por coronavírus, um recorde para o país, muito afetado pela segunda onda, mas as autoridades resistem a decretar um confinamento geral.

 

Um dos setores mais afetados pelas restrições é o de restaurantes. Na Espanha, o Zalacain, uma instituição culinária de Madri, fechou as portas após mais de 50 anos de atividades, reflexo da crise que abala a alta gastronomia na Europa.

 

A Espanha registra 47.000 mortes oficiais por covid-19, mas o número real pode ser muito maior.

 

O Instituto Nacional de Estatísticas (INE) apontou na quinta-feira que o número estimado de óbitos provocados pelo coronavírus entre março e maio superou 45.600, o que representa 18.500 a mais que as vítimas fatais contabilizadas no balanço oficial.