PUBLICIDADE
Coronavírus
NOTÍCIA

Covid-19: Ceará registra aumento de 54,7% no número de mortes

Fortaleza e municípios do Interior são as regiões que apresentaram a maior elevação no índice de mortes pela Covid-19 no estado do Ceará

Gabriela Almeida
18:17 | 11/12/2020
Só Fortaleza apresentou elevação de 31,9% dos casos da doença e de 48,3% do número de óbitos nas duas últimas semanas de novembro (Foto: Aurelio Alves)
Só Fortaleza apresentou elevação de 31,9% dos casos da doença e de 48,3% do número de óbitos nas duas últimas semanas de novembro (Foto: Aurelio Alves)

O número de mortes provocadas pela Covid-19 no Ceará subiu 57,4% na última semana, quando comparado à semana anterior. De acordo com informações divulgadas nesta sexta-feira, 11, em boletim epidemiológico da Secretária de Saúde do Estado (Sesa), Fortaleza e municípios do Interior, como Aracati e Sobral, são as regiões que apresentaram a maior elevação do índice, registrando ainda um aumento significativo do número de casos.  

Na semana epidemiológica 49, com inicio no dia 29 de novembro e término no dia 5 deste mês, o Ceará registrou 74 óbitos provocados pela patologia. O número revela um disparo do índice quando relacionado ao identificado na semana anterior e vem após um aumento de casos ser identificado no Estado, tendo como ponto de partida a Capital.

Só Fortaleza apresentou elevação de 31,9% dos casos da doença e de 48,3% do número de óbitos nas duas últimas semanas de novembro. No interior do Estado, esse aumento de casos foi de 40,3%, sendo o incremento de óbitos de 8,8%, dentro do período de variação analisado.

| LEIA MAIS |

Aulas presenciais do Estado devem voltar em fevereiro de 2021

"Estamos nos preparando para caso haja um aumento maior", diz Cabeto sobre atualização do Plano de Contingência Estadual

Os municípios do interior que apresentaram o maior aumento do número de óbitos nas duas últimas semanas de novembro foram Aracati e Brejo Santo, com incremento de 300% de mortes quando o índice é comparado às primeiras duas semanas do mês. Sobral, Tianguá, Icó e Crato também "apresentaram aumento de óbitos no mesmo período".

De acordo com o documento, 78,1% dos óbitos que já ocorreram no Estado foram entre pessoas de 60 anos ou mais, até o último dia 5. Além disso, 70,6% das vítimas apresentavam doenças crônicas pré-existentes, 0,13% estavam gestantes e 0,16% puérperas. O que significa que as mortes têm acontecido na grande maioria entre pessoas do grupo considerado de risco.

Segundo Magda Almeida, Secretária Executiva de Vigilância e Regulação da Sesa, esse novo incremento de casos tem sido percebido entre pessoas mais velhas. "Esse é um comportamento já esperado da epidemia, depois do aumento de casos em pacientes jovens a gente tem a contaminação dos pacientes mais vulneráveis, que são aqueles pacientes acima de 50 anos, principalmente aqueles acima de 70 anos, onde a letalidade é bem maior," explica.

"A gente precisa nesse momento continuar fazendo o distanciamento social, fazendo o uso de máscaras e evitando expor esse grupos mais vulneráveis. O momento onde está cada vez mais consolidada a possibilidade de reinfecção onde quem já teve tem a possibilidade de ter novamente Covid-19", alerta ainda a especialista.

Acesse a cobertura completa do Coronavírus >