PUBLICIDADE
Coronavírus
NOTÍCIA

Anticorpos do novo coronavírus podem durar até sete meses, diz estudo

Para os resultados, a pesquisa levou em conta a sorologia de mais de 200 voluntários que contraíram a Covid-19 durante esses sete meses

22:25 | 23/10/2020
300 pacientes de hospitais e profissionais da saúde também participaram da pesquisa (Foto: Reprodução/AFP)
300 pacientes de hospitais e profissionais da saúde também participaram da pesquisa (Foto: Reprodução/AFP)

Um estudo realizado pela Faculdade de Medicina da Universidade de Lisboa (Fmul) aponta que os anticorpos do novo coronavírus podem durar até sete meses. A pesquisa que vem sendo realizada desde março deste ano, ainda revela que a doença também pode afetar a produção de anticorpos, responsáveis por garantir a defesa do organismo. As informações são do portal Exame.

Para os resultados, o estudo levou em conta a sorologia de mais de 200 voluntários que contraíram a Covid-19 durante esses sete meses. Além deles, mais 300 pacientes de hospitais e profissionais da saúde também participaram da pesquisa. As análises apontaram que os anticorpos foram detectados de quatro dias até sete meses em 90% dos casos.

Os pesquisadores observaram que, na fase aguda a resposta do sistema imunológico do corpo humano, a produção de anticorpos era maior em pacientes que apresentavam casos graves da doença. Entretanto nenhuma diferença relevante entre idade foi encontrada.

De acordo com o coautor do estudo, Marc Veldhoen, o sistema imunológico do ser humano reconhece o vírus como prejudicial e produz anticorpos contra ele, com intuito de combatê-lo. O cientista revela que os resultados mostram um padrão de aumento dos anticorpos nas primeiras três semanas e depois dos sintomas da doença. Após isso, ocorria uma redução.

O estudo tem parceira com Instituto Português do Sangue e Transplantação (IPST). Outro ponto avaliado pelos pesquisadores foram a função dos anticorpos na neutralização do vírus. Os resultados mostraram que os anticorpos eram neutralizantes fortes.

Nos próximos meses, o objetivo é continuar o monitoramento nos pacientes para entender melhor quanto tempo os anticorpos podem realmente durar e quando o risco de reinfecção pode ser apresentado.