PUBLICIDADE
Coronavírus
Noticia

Camilo descarta aumento de mortes por Covid-19 divulgados por consórcio

O governador reforçou que não há tendência de retorno de crescimento dos números da pandemia do novo coronavírus no Ceará, ao contrário do divulgado nessa quarta-feira pelo consórcio de veículos de imprensa

Matheus Facundo
19:29 | 10/09/2020
O governador demonstrou por meio de gráficos a queda semana a semana do número de óbitos no Ceará  (Foto: Reprodução)
O governador demonstrou por meio de gráficos a queda semana a semana do número de óbitos no Ceará (Foto: Reprodução)

O governador do Ceará, Camilo Santana (PT) reforçou, por meio de live na noite desta quinta-feira, 10, que o número de mortes e casos de Covid-19 continuam em constante queda. Segundo ele, os dados divulgados pelo consórcio de veículos de imprensa nessa quarta-feira, 9, não condizem com a situação atual da pandemia no Estado. Levantamento nacional apontou que o território cearense era o único do País com classificação "alta" na média móvel de óbitos, com subida de 19%.

"Os números da nossa equipe de Saúde mostram que isso não tem ocorrido, inclusive a curva é sempre descendente e tem diminuído semana a semana. Portanto, os dados apresentados pela imprensa nacional não retratam a realidade do momento. Eu quero deixar a população do Ceará tranquila", pontuou o chefe do Executivo estadual enquanto apontava para o gráfico de indicadores de óbitos por coronavírus.

Conforme explicado pelo titular da Secretaria da Saúde do Estado (Sesa), Dr. Cabeto, por meio de coletiva nesta quinta-feira, a metodologia usada pelo consórcio para a divulgação dos dados acabou inferindo interpretação inadequada. "Quando se olha apenas o cenário apresentado na notificação de casos, que muitas vezes não representa o total de casos daquele dia, e, sim, de casos anteriores, pode causar alguma confusão na interpretação", afirma o secretário.

LEIA MAIS| Covid-19: Secretário da Saúde diz que reabertura econômica não resultou em aumento de casos

A média móvel em alta apresentada pelo consórcio nacional é calculada levando em conta a média de mortes dos últimos sete dias até a publicação do balanço comparada com o mesmo dado registrado duas semanas atrás. O entrave encontrado no registro desses óbitos está nos exames de confirmação, que, por muitas vezes, não ocorre no mesmo dia da morte.

De acordo com o governador Camilo Santana, além da queda de óbitos, o Ceará também registra diminuição dos número de casos em todas as regiões e também na circulação viral. "Se os números aumentarem, iremos dizer claramente como sempre temos feito porque todas as nossas ações têm sido feitas com muita responsabilidade para evitar exatamente o repique. Mas repito, não há essa tendência de retorno do crescimento da pandemia aqui no Estado do Ceará", declara.

O Ceará registra 224.759 casos de Covid-19 e 8.639 mortes pelo novo coronavírus. O boletim foi atualizado às 10h56min desta quinta-feira, 10, na plataforma IntegraSUS, da Secretaria da Saúde do Ceará (Sesa). Foram 896 novos casos confirmados em 24 horas. Morreram três pessoas por Covid-19 nas últimas 24 horas.

Aglomerações no feriadão

Durante a transmissão ao vivo, Camilo pontuou que apesar dos indicadores estarem caindo, não é possível relaxar. Ele citou as aglomerações ocorridas no último fim de semana em pontos turísticos do Ceará, durante o feriadão, o que classificou como "lamentável". Jericoacoara registrou desrespeito às medidas contra a Covid-19.

"Cenas como as que temos visto recentemente não podemos aceitar. Há um esforço muito grande de fiscalização por parte dos órgãos de segurança pública, mas há limitações e é importante que cada um se conscientize da importância de cumprirmos as recomendações sanitárias", avalia.

LEIA TAMBÉM| Feriadão com aglomerações no Ceará preocupa pela possibilidade de novos surtos da Covid-19

O chefe do Executivo estadual reiterou o uso obrigatório da máscara e as medidas de distanciamento para impedir a disseminação da Covid-19. "Nós já retornamos mais de 95% das economia cearense, portanto não podemos retroceder e para isso continuar até que haja o fim da pandemia, que só será alcançado com a vacina, que ainda não tem previsão, é fundamental obedecer os protocolos sanitários", diz o governador.

 

Acesse a cobertura completa do Coronavírus >