PUBLICIDADE
Coronavírus
NOTÍCIA

Mais de 15 milhões de brasileiros podem ser vacinados contra Covid-19 ainda em 2020, diz MS

Para que a campanha de vacinação comece, no entanto, o Ministério da Saúde informou que os testes e estudos sobre a eficácia da vacina precisam ser aprovados até dezembro, mês planejado para que ocorra as primeiras aplicações no País

Gabriela Almeida
20:28 | 28/07/2020
Brasil fecha acordo para receber 100 toneladas da vacina (Foto: Governo do Estado de São Paulo / AFP)
Brasil fecha acordo para receber 100 toneladas da vacina (Foto: Governo do Estado de São Paulo / AFP)

O Ministério da Saúde (MS) fechou um acordo para receber 100 milhões de doses da vacina contra o novo coronavírus, produzida na Universidade de Oxford, no Reino Unido. A primeira remessa deve ser entregue e aplicada já em dezembro deste ano, possibilitando a imunização de 15,2 milhões de brasileiros. O anúncio foi feito pelo secretário de Vigilância em Saúde da pasta, Arnaldo Correia, durante entrevista à CNN Brasil na tarde desta terça-feira, 28. 

À reportagem, o profissional explicou que foram negociados três toneladas da vacina. A segunda remessa chegará entre dezembro deste ano e janeiro do próximo e terá o mesmo número de aplicações da primeira, já a terceira e última deve vir com 70 milhões de doses e ser aplicada entre março e abril de 2020.

Para que a campanha de vacinação comece, no entanto, Arnaldo afirmou que os testes e estudos sobre a eficácia da vacina precisam ser aprovados até dezembro, mês planejado para que ocorra as primeiras aplicações no País. Na última semana, resultados preliminares apontaram que a substância é segura e que induz a uma resposta imune do organismo.

Caso campanha ocorra como planejado, os primeiros grupos a receberem o medicamento serão "os idosos, pessoas com comorbidades e os profissionais da saúde". Antes dessa negociação, a pasta tinha fechado acordo com a Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), a universidade de Oxford e o laboratória AstraZeneca para ter autonomia na produção da vacina.

Acesse a cobertura completa do Coronavírus >