PUBLICIDADE
Coronavírus
NOTÍCIA

Saiba como as academias estão se preparando para um possível retorno em Fortaleza no próximo dia 20

Proibição de revezamento dos equipamentos e o uso de máscara inclusive durante o exercício estão entre as medidas previstas

Lais Oliveira
15:29 | 08/07/2020
As academias terão de se adaptar para o retorno às atividades (Foto: Divulgação)
As academias terão de se adaptar para o retorno às atividades (Foto: Divulgação)

Assim como todos os setores econômicos, as academias precisarão se adaptar para reabrir. Proibição de revezamento dos equipamentos e o uso de máscara inclusive durante o exercício estão entre as medidas previstas no protocolo de retorno dos estabelecimentos, que pode ocorrer no próximo dia 20 em Fortaleza. As academias estão inclusas na Fase 4 do plano de retomada das atividades econômicas do Ceará.

A educadora física e professora Andrea Benevides, vice-presidente do Conselho Regional de Educação Física da 5ª Região (CREF5-CE), comenta que as 1.700 academias do Estado estão se preparando com a aquisição de Equipamentos de Proteção Individual (EPIs) e de insumos de higiene na expectativa da reabertura.

Em Fortaleza, o Conselho tem 740 academias registradas. Porém, somente 567 continuam ativas "demonstrando já um impacto no setor devido ao fechamento das atividades durante a pandemia", de acordo com a vice-presidente.

LEIA TAMBÉM | Retomada avança em Fortaleza, mas bares e barracas permanecem fechados

Para Andrea, que participou da elaboração do protocolo de medidas enviado ao governo estadual para reabertura das academias, o uso de máscaras durante o treinamento é viável considerando que os alunos deverão retomar os exercícios gradativamente.

“Temos trabalhos que comprovam que não há prejuízo [no uso da máscara] durante o exercício mesmo porque estamos retomando neste começo para recuperar a saúde dos clientes. Querendo ou não, todos tiveram a diminuição do seu treinamento e a absorção do volume de oxigênio que eles necessitam para recuperar agora a forma física não vai ser limitada pelo uso de máscara”, argumenta.

Rosane Andrade, professora e coordenadora do curso de Educação Física do Centro Universitário Unifanor, defende outro ponto de vista. Segundo ela, o ideal é que não se utilize a máscara durante a prática de exercício porque o item impede as trocas gasosas adequadas, mesmo em exercícios leves. "O oxigênio é essencial para a prática de exercícios pois ele é formador de energia. Não dá pra fazer exercício com máscara por isso deve haver um distanciamento maior”, aponta indicando a distância ideal de até três metros entre cada cliente na academia.

Outras ações como o limite máximo de um cliente a cada 6,25 metros quadrados em áreas de treino, piscina e outros ambientes; a demarcação dos ambientes para orientar sobre o distanciamento social de dois metros entre os funcionários, e a desinfecção dos equipamentos a cada uso estão expressas no protocolo elaborado pelo Cref5-CE.

Segundo a vice-presidente da entidade, contudo, o documento pode passar por ajustes a depender de possíveis restrições impostas pelo governo estadual para a retomada.

Infectologista discorda de reabertura das academias

Mesmo considerando as providências que seriam adotadas pelas academias no retorno das atividades presenciais, a enfermeira e infectologista Lúcia Duarte considera que o momento atual não é propício para o retorno destes estabelecimentos.

“Na academia, a movimentação é tão grande. Não acredito que haverá um cuidado adequado. O indicado é de pelo menos quatro metros entre cada pessoa. Se estou numa esteira e saio ofegante, mesmo que fique a dois metros, essa respiração ofegante vai lançar partículas”, considera.

Lúcia, que é coordenadora do Grupo de Trabalhos da Universidade Estadual do Ceará (Uece) de enfrentamento à Covid-19, cita sobre a investigação acerca da possibilidade de o vírus se manter suspensos no ar, possibilitando a infecção das pessoas. A Organização Mundial da Saúde (OMS) estuda o artigo publicado por um grupo de 239 cientistas de 32 países e afirma ter colocado especialistas técnicos para revisar as afirmações.

A vice-presidente do Cref5-CE, Andrea Benevides, rebate dizendo que essa possibilidade de “efeito aerosol”, onde as partículas se disseminam e ficam suspensas, não existe dentro das academias. “Quando estou pedalando ou correndo na academia, estou de forma estacionária. Ninguém vai ocupar o meu espaço”, explica.

Volta gradual aos exercícios

Quem não estava se exercitando durante a quarentena deve ter um cuidado maior se planeja retomar as atividades físicas agora, como alerta Rosane Andrade. “Iniciar o exercício sem orientação é um tanto complicado. A sugestão é que se procure um profissional para que seja possível a prescrição destes exercícios”, recomenda a também personal trainer.

Ela acrescenta que há possibilidade de o indivíduo fazer exercícios em casa que são inerentes à capacidade motora, como caminhada, agachamento, flexões, com duração de 30 a 60 minutos, sempre respeitando os limites pessoais.

Confira as medidas previstas no protocolo de reabertura das academias:

1. Máscaras serão obrigatórias inclusive durante o exercício. Caso o profissional verifique que o aluno precisa trocar a máscara por estar úmida, deve orientá-lo nesse sentido. A troca não é uma obrigação para os alunos porque a previsão de permanência máxima na academia é de até uma hora;

2. Funcionários devem utilizar luvas, avental, calça comprida e sapatos fechados, além da máscara que precisará ser trocada em até quatro horas;

3. Áreas demarcadas para garantir o distanciamento de dois metros entre funcionários;

4. Capacidade máxima de um cliente a cada 6,25 metros quadrados em áreas de treino, piscina e outros ambientes;

5. Atendimento por agendamento para evitar aglomeração, priorizando exercícios de forma individualizada;

6. Organização da forma de pagamento para que não haja contato com maquinetas, por exemplo;

7. A comercialização de alimentos estará vedada nas academias, fazendo com que o aluno permaneça somente para prática de atividades físicas no intuito de evitar aglomerações;

8. Intensificação da higienização de maçanetas, balcões e materiais de escritórios;

9. Se houver formação de filas, um funcionário deve controlar entrada e saída;

10. Orientação para durante translado até academia preferir transporte individual;

11. Aferição de temperatura na entrada dos estabelecimentos;

12. Deixar disponível álcool em gel, sabão e água;

13. É proibido o compartilhamento de utensílios e os bebedouros serão interditados;

14. Uso obrigatório nos estabelecimentos de tapete higienizador de sapatos com hipoclorito de sódio;

15. Academias deverão oferecer avaliação física de saúde gratuita no intuito de liberar o cliente para as atividades com formulário voltado para os sintomas da Covid-19;

16. Proibido o revezamento de equipamentos, não compartilhando com outras pessoas, que devem ser higienizados a cada uso;

17. Nos vestiários, banhos serão proibidos e haverá o distanciamento entre armários;

18. Piscinas devem disponibilizar penduradores individuais de roupas. O tratamento da água deve ser verificado de acordo com o nível de cloro e PH adequados;

19. Manutenção e higienização dos equipamentos de ar-condicionado de acordo com a recomendação dos fabricantes.