PUBLICIDADE
Coronavírus
NOTÍCIA

Mandetta omitiu projeção pessimista para a pandemia: "não ajudava", disse o ex-ministro

Conforme o ex-titular da Saúde, as projeções feitas pelas lideranças do seu ministério, como João Gabbardo e Wanderson de Oliveira, serão divulgadas após o fim da pandemia

Ismia Kariny
13:15 | 08/07/2020
O  ex ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta. (Foto Marcello Casal Jr/Agência Brasil) (Foto: Marcello Casal Jr/Agência Brasil)
O ex ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta. (Foto Marcello Casal Jr/Agência Brasil) (Foto: Marcello Casal Jr/Agência Brasil)

O ex-ministro da Saúde Luiz Henrique Mandetta afirmou ter omitido projeção mais pessimista sobre a pandemia, durante sua gestão no Ministério da Saúde, encerrada em abril. Segundo o ex-titular da pasta, os números e previsões avaliados pela sua equipe não foram trazidos à tona, pois poderiam provocar situação mais preocupante entre a população. As projeções serão divulgadas após o fim da pandemia, disse Mandetta. As informações são do portal de notícias da UOL.

"Nós tínhamos cenários, o meu sempre foi o mais duro, isso é verdade. Mas eu nunca coloquei em público porque achei que isso, primeiro, não ajudava. A gente tinha que lutar para que isso não acontecesse, e eu achava que se falasse 100 mil, 80 mil, 120 mil (óbitos), eu estaria colocando todo mundo em um pacote só; quando, atrás de cada número desse, tem uma família", disse Mandetta, em entrevista à GloboNews na última terça-feira, 7.

Leia também | Mortes diárias por coronavírus em Fortaleza apresentam sete semanas consecutivas de queda

Conforme o ex-ministro, as projeções feitas pelas lideranças do seu ministério, como João Gabbardo e Wanderson de Oliveira, serão divulgadas quando “terminar” a pandemia. Segundo ele, havia um cálculo de consenso. Mandetta segue acompanhando com preocupação o cenário brasileiro, mesmo após deixar a pasta da Saúde. "Infelizmente, os números são muito elevados. Estamos trabalhando há um bom tempo com uma média de mais de mil casos por dia; se continuarmos nesse ritmo, vamos ter mais de 30 mil nesse mês", calculou.