PUBLICIDADE
Coronavírus
NOTÍCIA

Violência contra crianças e adolescentes teve aumento "significativo" durante pandemia, afirma Comitê Científico

Comitê deve publicar na próxima semana nota técnica divulgando dados e recomendando estratégias de fortalecimento da Rede de Proteção às crianças

Catalina Leite
13:39 | 03/07/2020

A violência contra crianças e adolescentes aumentou “significativamente” em todos os estados brasileiros durante a pandemia de Covid-19, afirma boletim do Comitê Científico de Combate ao Coronavírus do Consórcio Nordeste. Após estudos de pesquisadores das Ciências Humanas e lideranças da sociedade civil, o Comitê identificou vulnerabilidade das crianças e adolescentes no período e desenvolveram estratégias de mitigação dos efeitos da pandemia.

Os dados exatos ainda não foram divulgados. No entanto, o coordenador do Comitê, Miguel Nicolelis, afirmou em coletiva que a Nota Técnica 01 (NT 01) deverá ser publicada ainda na próxima semana, contendo as estatísticas de violência e as estratégias de fortalecimento da Rede de Proteção às crianças.

A NT 01 focará na criança e no adolescente, no sistema escolar e nos profissionais desse sistema. Assim, o documento irá propor um engajamento comunicacional por meio das escolas para alcançar professores, alunos e familiares no combate à pandemia e na mitigação dos seus efeitos.

LEIA TAMBÉM | "Violência doméstica é pandemia dentro de pandemia", diz superintendente do Instituto Maria da Penha

De acordo com a frente Nordeste Criança do Projeto Mandacaru, que produziu a NT 01, as crianças perderam contato com os principais “atores de proteção” durante a pandemia - os professores e demais profissionais da educação. “[Eles] são um anteparo que recebe a revelação espontânea da vítima acerca de situações de violência”, justifica o boletim.

Uma das recomendações da Nota Técnica 01 é adaptar as ações dos profissionais que compõem a Rede de Proteção, por meio de estratégias e mecanismos adequados ao momentâneo distanciamento físico. O documento também dá especificações iniciais para um aplicativo, inicialmente nomeado “Monitora Nordeste Criança - Escuta Infância”, além de preparar as Brigadas Emergenciais de Saúde para detectarem situações de violência.

O boletim também afirma que grupos específicos estão sendo formados para analisar a violência de gênero durante a pandemia.

LEIA TAMBÉM | Casos de coronavírus avançam quase duas vezes mais rápido no Interior do Ceará, afirma Comitê Científico

Comitê Científico do Consórcio Nordeste

Os governadores que integram o Consórcio Interestadual de Desenvolvimento Sustentável do Nordeste decidiram pautar as decisões de combate à pandemia mundial de coronavírus a partir do conhecimento científico e criou o Comitê Científico do Consórcio Nordeste.

O grupo é formado por cientistas, pesquisadores e médicos representantes dos nove estados, sob a coordenação do neurocientista Miguel Nicolelis e do físico e ex-ministro de Ciência e Tecnologia, Sérgio Rezende. Juntos, os integrantes sugerem estratégias para controle da pandemia de Covid-19.

Participam do comitê os seguintes cientistas e pesquisadores: Roberto Badaró (BA), Maurício Lima Barreto (BA), Adélia Carvalho de Melo Pinheiro (BA), Antônio Silva Lima Neto (CE), Marcos Pacheco (MA), Priscilla Karen de Oliveira Sá (PB), Luiz Cláudio Arraes de Alencar (PE), Sinval Brandão Filho (PE), José Noronha (PI) e Marco Aurélio Góes (SE).