PUBLICIDADE
Coronavírus
NOTÍCIA

Dona Laís, de 103 anos, compartilha mensagens de saúde e esperança em tempos de pandemia

Leitora voraz, tímida, engajada, a professora aposentada Laís Ayres Barreira, a Dona Laís, de 103 anos, compartilha mensagens em vídeo com a família durante o isolamento social

Natália Coelho
14:27 | 07/06/2020
Dona Laís, de 103 anos, é professora aposentada (Foto: Acervo Pessoal)
Dona Laís, de 103 anos, é professora aposentada (Foto: Acervo Pessoal)

Com saudade da família, Laís Ayres Barreira, a dona Laís, uma professora aposentada de 103 anos, gravou um vídeo para seus familiares. Certa de que o Brasil irá resistir à pandemia, o que foi dito por dona Laís, vale mais do que para sua família e amigos, podendo ser uma boa mensagem de esperança para qualquer pessoa.

“Bom dia pessoal. Uma felicidade falar com vocês. Acredito que a gente se saia bem dessa pandemia que está dando. Nós estamos resistindo, o mundo todo está resistindo. Então vamos pra frente, vamos nos salvar, continuar nossa vida como sempre. É isso que eu desejo. Que a saúde volte pra vocês, pra mim, pra todos nós. Amém”, disse dona Laís, em vídeo. 

Sogra do folião Marcus Vinicius de Oliveira, conhecido como Marvioli, dona Laís é querida pelos familiares e se caracteriza por ser uma leitora voraz de literatura e jornais. “Passei a conviver com a dona Laís, no início dos anos 2000, ela já tinha 83 anos. A partir daí, paixão, tanto que filhas e parentes me chamam de o maior puxa saco dela”, brinca Marvioli, fundador do bloco Concentra Mas Não Sai, de Fortaleza.

Já experiente em participar de vídeos, tendo feito um vídeo com engajamento político, por exemplo, Dona Laís se diz tímida, mas sempre buscava saber das visualizações.

“Nesta pandemia, ela tá sempre otimista, sente saudades dos almoços familiares de sexta, quando filhos, filhas e netos iam almoçar com ela. E telefona via aplicativos e dá a maior força. Até que ontem gravou um vídeo para dar notícias para a família. Saiu este vídeo de primeira”, explica Marvioli, acrescentando que não há outras palavras para definir dona Laís, que não uma “mulher fantástica”.