PUBLICIDADE
Coronavírus
NOTÍCIA

Ceará pode ter 75 mil casos ativos de Covid-19, aponta plataforma de gestão pública

O acesso à plataforma é gratuita e pode ser feito tanto por gestores como pela público

13:54 | 03/06/2020
Drive-Thru de Teste para o COVID-19 no estacionamento do Shopping Rio Mar Fortaleza no bairro Papicu (Foto: Aurelio Alves/O POVO)
Drive-Thru de Teste para o COVID-19 no estacionamento do Shopping Rio Mar Fortaleza no bairro Papicu (Foto: Aurelio Alves/O POVO)

O Ceará, mesmo sendo um dos estados que mais testam no País, pode ainda ter um número mais elevado de casos ativos de Covid-19. Considerando os números de 49 mil casos confirmados, a plataforma Coronacidades, avaliando a progressão clínica da doença de 14 dias e a taxa de notificação ajustada em 28%, estimam que o número de casos ativos seja de 75.869.Segundos as projeções, a cada 10 doentes apenas 2 são diagnosticados. Mesmo assim, o Ceará ocupa apenas a 23º no ranking nacional.

A plataforma apresenta também o ritmo de contágio. No Estado, uma pessoa infectada passa a doença, em média, para 1,1 ou 1,2 pessoas. O número é uma melhora considerando a semana anterior, em que os números variavam entre 1.4 e 1.5. Esses valores são considerados pelo pesquisadores e especialistas na criação de diferentes simulações dos impactos dos ritmos de contágio. Dispostos no Farol Covid, criada por cientistas de dados, especialistas em gestão pública e pesquisadores de saúde, é possível conferir também a capacidade hospitalar e a taxa de isolamento social.

Leia também | Ceará testa pouco, mas é o estado que mais faz exames para coronavírus no Brasil

"Quando o número o ritmo de transmissão é maior do que 1 indica que, mantendo-se o comportamento e intervenções ativas até aquele dia, ainda há tendência de crescimento exponencial da doença naquela população. Esperamos que cada pessoa infectada naquele momento infectará mais de uma pessoa no futuro - gerando uma curva de contágio que se acelera rapidamente", explicam sobre como o cálculo é influenciado pela criação e manutenção políticas públicas. O ideal é que esse valor esteja abaixo de 1, em que se tem a expectativa de que o número de novas infecções diminua ao longo do tempo, mostrando o controle se todas as medidas e comportamentos forem mantidos.

Leia também | Com resultados de 20,6 mil exames, Ceará terá incremento de mais de 7,5 mil novos casos confirmados de Covid-19, diz Secretaria

Apresentar a importância da participação pública é uma das premissas da plataforma. Isso porque ela foi criada com direcionamento para os gestores públicos. No espaço, estão reunidos ferramentas e informações para incrementar no combate à Covid-19. Além dos recursos gráficos e projeções, existe uma equipe para ajudar no planejamento e implementação de ações específicas nas áreas de saúde, assistência social, planejamento e economia.

Cada Estado e município tem sido acompanhado separadamente. Isso porque passam por fases diferentes da pandemia e é preciso acompanhar qual a melhor abordagem em resposta, defendem os especialistas da plataforma. "Muito se fala sobre o aumento exponencial no número de casos em todo o país, mas ainda há pouca discussão sobre a diversidade de realidades dos municípios brasileiros e os momentos diferentes que cada cidade vivencia em relação à curva de contágio da doença", analisa João Abreu, cofundador da Impulso.

Desta forma, o gestor pode acompanhar a evolução do cenário e, assim, avaliar os impactos das políticas. Mobilizando recursos e decidindo sobre, por exemplo, a reabertura do comércio. Já para a população, os dados, que também pode ser acessados gratuitamente, podem ser usados para cobrar ações do governo. 

A iniciativa é da Impulso, uma organização não-governamental sem fins lucrativos que trabalha para a ampliação da capacidade analítica em governos. Além dela, o sistema conta a participação do Instituto Arapyau e do Instituto de Estudos de Políticas de Saúde (IEPS).

"O principal diferencial do Farol Covid é congregar, em uma única ferramenta, vários indicadores-chave e informações para que os municípios possam ter agilidade e segurança nas suas decisões", explica Marcelo Cabral, Gerente do Programa Cidades e Territórios, do Instituto Arapyaú.