Participamos do

OMS reafirma que cloroquina e hidroxicloroquina não têm eficácia comprovada para coronavírus

Declaração aconteceu na Assembléia Mundial da Saúde, promovida pela Organização Mundial da Saúde com o intuito de discutir atitudes para combater a pandemia
18:53 | Mai. 20, 2020
Autor Luana Façanha
Foto do autor
Luana Façanha Social media do O POVO.
Ver perfil do autor
Tipo Notícia

Michael Ryan, diretor executivo do Programa de Emergências em Saúde da Organização Mundial da Saúde (OMS), afirmou nesta quarta-feira, 20, que, até o momento, os medicamentos cloroquina e hidroxicloroquina não foram identificadas como eficazes para o tratamento da Covid-19. A afirmação veio após questionamento sobre as medidas tomadas no Brasil, onde o presidente da República Jair Bolsonaro (sem partido) divulgou que novo protocolo sobre a medicação será publicado ainda hoje.

O diretor afirma que é importante levar em conta os efeitos colaterais do uso do medicamento — que incluem aumento no risco de problemas cardiovasculares e alterações na vista —, e que é importante que autoridades sanitárias avaliem os riscos. Durante declaração, Michael Ryan também afirmou que “cada nação é soberana”, para aconselhar sua população sobre os medicamentos.

LEIA TAMBÉM |

Seja assinante O POVO+

Tenha acesso a todos os conteúdos exclusivos, colunistas, acessos ilimitados e descontos em lojas, farmácias e muito mais.

Assine

Sociedade de Imunologia diz que é "precoce" uso de cloroquina para Covid-19

Unimed Fortaleza vai distribuir cloroquina e ivermectina aos seus clientes

Ampliação do uso da cloroquina pode provocar mortes em casa, diz Mandetta

Nesta semana, a Assembleia Mundial de Saúde foi organizada com o intuito de promover discussões sobre rumos coletivos que os países podem ter em combate à pandemia, avaliando resultados e desafios. O presidente Jair Bolsonaro não teve representante na Assembleia.

Outro tema tratado na reunião da OMS foi eventual vacina, que, segundo avaliação do órgão será um “bem público global” para a saúde. Ou seja, mesmo que alguns países não tenham investido em pesquisas para desenvolvê-la — como o Brasil —, poderão ter acesso ao medicamento.

Tedros Adhanom Ghebreyesus diretor-geral da Organização Mundial de Saúde (OMS), afirma que a pandemia ensinou que saúde não é um custo, é um investimento. 


Acesse a cobertura completa do Coronavírus >

Dúvidas, Críticas e Sugestões? Fale com a gente

Tags