PUBLICIDADE
Coronavírus
NOTÍCIA

Ministra italiana causa polêmica ao defender modelo de "educação mista" para retorno das aulas no país

Proposta está sendo pensada para ser aplicada ainda em setembro deste ano

19:34 | 03/05/2020

A ministra da Educação da Itália, Lucia Azzolina, causou polêmica ao divulgar, neste domingo, 3, uma proposta de “educação” mista para retomar as atividades escolares no país, suspensas por conta da pandemia do novo coronavírus. O modelo defende que as aulas sejam “parcialmente presencial e parcialmente online à distância”, de acordo com informações do portal Terra.

Segundo reportagem, a ministra teria divulgado a medida durante uma participação no programa SkyTg24, afirmando que a ação foi pensada para evitar salas com muitos alunos, o que poderia provocar aglomerações e aumentar o contágio pelo vírus.

De acordo com o plano, que pode ser colocado em prática ainda em setembro deste ano, metade dos alunos “frequentariam as escolas durante meia semana, enquanto a outra metade estudaria online à distância”. As turmas seriam invertidas na segunda parte da aplicação do método, fazendo com que os estudassem vivenciassem uma forma alternada de ensino.

O plano divulgado pela ministra, no entanto, repercutiu de forma polêmica no país. Algumas entidades sindicais, pedagogos e professores rebateram o método, alegando que existe uma preocupação quanto ao fato de que nem todos os alunos possam ter acesso a internet em casa, o que poderia provocar uma evasão escolar.

Em resposta a repercussão negativa, o representante da força-tarefa do Ministério da Educação, Patrizio Bianchi, classificou o projeto de Azzolina como um " cenário inicial", afirmando que ele “precisava ser pesado” antes de ser posto em ação.