PUBLICIDADE
Coronavírus
NOTÍCIA

Discurso de Bolsonaro contribuiu para situação de Manaus, diz prefeito

Artur Virgílio considera que ministro da Saúde, Nelson Teich, tem sido "muito diplomático"

20:36 | 03/05/2020
Aerial view of cemetery workers unloading a coffin from a truck at an area where new graves have been dug at the Parque Taruma cemetery, during the COVID-19 coronavirus pandemic in Manaus, Amazonas state, Brazil, on April 21, 2020. - Graves are being dug at a new area of the cemetery for suspected and confirmed victims of the COVID-19 coronavirus pandemic. (Photo by MICHAEL DANTAS / AFP)
      Caption (Foto: MICHAEL DANTAS / AFP)
Aerial view of cemetery workers unloading a coffin from a truck at an area where new graves have been dug at the Parque Taruma cemetery, during the COVID-19 coronavirus pandemic in Manaus, Amazonas state, Brazil, on April 21, 2020. - Graves are being dug at a new area of the cemetery for suspected and confirmed victims of the COVID-19 coronavirus pandemic. (Photo by MICHAEL DANTAS / AFP) Caption (Foto: MICHAEL DANTAS / AFP)
O prefeito de Manaus Arthur Virgílio (PSDB) avaliou que a situação da cidade é "ultracalamitosa". "Fracassamos na tentativa de fazer o isolamento por algumas razões: uma delas foi a resistência da população, a outra é o discurso desmobilizador do presidente (Jair Bolsonaro)", disse em entrevista à Globo News.
Virgílio também afirmou que não considera implementar um lockdown na cidade pois "seria um quebra-quebra geral" mas disse que irá pedir ajuda ao governador do Amazonas, Wilson Lima (PSC), para que a Polícia Militar do Estado possa fechar as "lojas mais desafiadoras" às medidas de quarentena e "cassar uma meia dúzia de alvarás".
De acordo com a avaliação do prefeito, o ministro da Saúde, Nelson Teich, tem sido "muito diplomático" e tem combinado "os desacertos do presidente com os seus acertos (do ministro)". Segundo Virgílio, Teich deverá visitar a cidade ainda neste domingo, dia 3.