PUBLICIDADE
Coronavírus
NOTÍCIA

Projeto vai investigar como o novo coronavírus afeta o olfato

A pesquisa pode verificar se a perda de olfato é um sintoma frequente o suficiente para servir como indicativo precoce da Covid-19

09:56 | 27/04/2020

Um grupo de pesquisadores do Instituto de Química da Universidade de São Paulo (IQ-USP) e do Departamento de Bioquímica da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp) criou um projeto para investigar como o Sars-Cov-2 afeta o sistema olfativo. A pesquisa pode ajudar a identificar se o sintoma, observado como relativamente comum por estudos preliminares internacionais, pode ser indicativo precoce de Covid-19.

Sob coordenação da professora Bettina Malnic, o estudo “Receptores olfatórios: mecanismos de expressão gênica e transdução de sinal" vai focar esforços em entender a relação entre a Covid-19 e a perda de olfato, chamada anosmia. O grupo já estava pesquisando os genes que codificam os receptores olfatórios, mas decidiu observar o fenômeno no novo coronavírus pela pandemia.

Para isso, um questionário está sendo elaborado para monitorar profissionais de saúde do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina (FM) da USP. Por ele, o projeto acompanhará a presença de sintomas estabelecidos da doença, como febre, tosse e dificuldade para respirar, e eventuais mudanças olfativas.

“Queremos descobrir se há um padrão na anosmia causada pelo coronavírus que a diferencie da perda de olfato por outras causas, como infecções nas vias respiratórias causadas por resfriados ou gripes comuns ou doenças neurodegenerativas. Pacientes com Covid-19 têm relatado uma perda abrupta na capacidade de sentir cheiro e, muitas vezes, sem outros sintomas relacionados”, explica Bettina à Agência Fapesp.

Também está nos planos do grupo conduzir uma análise mais ampla, semelhante à que foi feita no Reino Unido por cientistas do King’s College. Por meio de um aplicativo de celular chamado “COVID Symptom Tracker”, os britânicos disponibilizaram um questionário remoto que já foi preenchido por mais de 1 milhão de pessoas em vários países. Uma primeira análise revelou que a perda de olfato e de paladar foi um sintoma relatado por 59% das pessoas que testaram positivo para Covid-19, e apenas por 18% das que testaram negativo.

Com informações da Agência Fapesp.